Fonte de poluição em Abrantes ainda desconhecida

Lusa 29 de janeiro de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 5 a 11 de agosto
As mais lidas

Secretário de Estado do Ambiente diz que ainda são desconhecidos os responsáveis pelo surgimento do manto de espuma branco no Tejo.

Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído
Tejo poluído

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, afirmou esta segunda-feira que ainda são desconhecidos os responsáveis pelo surgimento do manto de espuma branco no Tejo, na zona de Abrantes, e que "todas as medidas tomadas são apenas de precaução".

Em declarações aos jornalistas, ao início da tarde, no Açude de Abrantes, distrito de Santarém, Carlos Martins ressalvou que, só após a conclusão das análises realizadas, poderá ser possível associar esta situação à actividade das instalações industriais, que laboram nas margens do rio Tejo.

"Ainda não sabemos quais foram as causas deste evento. Estamos a estudá-las e a tomar medidas de precaução para chegar à fonte", explicou o governante, referindo que as análises estarão concluídas na quarta-feira e a avaliação causa efeito na próxima semana.

Nesse sentido, Carlos Martins ressalvou que a imposição do Governo à empresa Celtejo (sem nunca referir o nome da empresa de papel) para que reduzisse as suas emissões para o rio Tejo "nada têm a ver com qualquer desconfiança".

"Foram cumpridas as recomendações que foram dadas. São medidas de precaução e não estão para já ligadas a nenhuma particular situação de desconfiança aos caudais descarregados. As análises dirão se sim ou não a qualquer associação entre as duas situações", apontou.

Por outro lado, o secretário de Estado do Ambiente referiu que foram criados mais dois postos de monitorização à qualidade da água do Tejo e reduzido o intervalo de tempo entre cada medição. "Eram cinco postos que faziam uma monitorização a cada 48 horas e agora fazem um controlo diário", adiantou.

Entretanto, no local continua a ser retirada a espuma do rio, mas, segundo referiu o governante, "é agora um trabalho mínimo". "Quero aqui destacar a colaboração muito activa dos bombeiros que ajudaram à retirada mais célere da espuma", apontou.

A remoção da espuma que cobre o Tejo em Abrantes, a redução da actividade da empresa Celtejo e a retirada de sedimentos do fundo de albufeiras foram medidas anunciadas na sexta-feira, em Abrantes, pelo Governo devido à poluição registada recentemente no rio.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais