Escolas com baixa velocidade da Internet

Lusa 12 de dezembro de 2018
As mais lidas

A reduzida qualidade das redes locais justifica a baixa velocidade da Internet nas escolas, segundo o ministro da Educação.

A baixa velocidade da Internet nas escolas deve-se "muitas vezes" à fraca qualidade das redes locais e não das redes escolares, disse hoje o ministro da Educação, em resposta a críticas dos professores de informática.

tiago brandão rodrigues
tiago brandão rodrigues
tiago brandão rodrigues
tiago brandão rodrigues
Segundo Tiago Brandão Rodrigues, que falava à margem de um evento de reprogramação de fundos comunitários afectos ao Programa Operacional Capital Humano (POCH), que hoje decorreu no Centro de Congressos de Lisboa, o Governo está a fazer um trabalho de consolidação de redes -- de escolas, universidades e poder local -- que em breve deverão dar lugar a uma rede única, permitindo ganhos de qualidade e melhor acessibilidade no acesso à Internet nas escolas.

"Muitas vezes em algumas das nossas escolas a Internet é relativamente lenta, porque a Internet que existe naquele território ainda é relativamente lenta, não especificamente porque a rede da escola seja lenta", justificou o ministro.

Sobre as críticas à antiguidade do material informático nas escolas, Tiago Brandão Rodrigues disse que o "trabalho de apetrechamento das escolas vai continuar a ser feito".

Em carta aberta ao ministro da Educação, a associação nacional de professores de informática (Anpri) afirmou que a Internet nas escolas "está a funcionar a dois tempos: 'lenta' ou 'parada'", questionando ainda se os 23 milhões de euros anunciados pelo Governo para competências digitais vão trazer soluções ao problema.

No documento, a Anpri recorda que o último relatório 'Estado da Educação', do Conselho Nacional de Educação (CNE), divulgado há semanas, alertava para o facto de o material informático nas escolas estar obsoleto e ser insuficiente e questiona o governante sobre se os 23 milhões de euros que o executivo pretende alocar à capacitação dos portugueses em competências digitais vão chegar às escolas, nomeadamente à renovação das estruturas das redes e Internet.

"Pretendemos saber, se vai ser disponibilizado algum equipamento às escolas para que sejam criadas condições para que as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) - quer enquanto disciplina, quer como meio para a integração transversal nas várias áreas do saber - possam ser usadas condignamente por alunos e professores", lê-se na carta aberta da Anpri.

Sobre a reprogramação de fundos comunitários, o ministro adiantou ainda que o POCH terá disponível a partir do próximo ano 10 milhões de euros para formação de professores em várias matérias, incluindo competências digitais.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais