Equipa do Porto desenvolve sistema que deteta e distingue células cancerígenas

Lusa 11 de março de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

O sistema desenvolvido propõe a utilização de "um sistema inteligente baseado em fibra ótica" para o isolamento, identificação e distinção de células cancerígenas.

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), no Porto, desenvolveram um sistema que, ao recorrer a fibra ótica, permite detetar, isolar e distinguir células cancerígenas, foi hoje anunciado.

Doente com cancro
Cancro xxx
Doente com cancro
Cancro xxx

Em comunicado, o INESC TEC refere que o artigo, publicado na Scientific Reports, propõe a utilização de "um sistema inteligente baseado em fibra ótica", intitulado iLoF para o isolamento, identificação e distinção de células cancerígenas.

O sistema iLoF, desenvolvido por dois centros de investigação e uma 'spin-off' do instituto, combina assim algoritmos de inteligência artificial com "sinais de base fotónica", por forma a identificar categorias "únicas" de biomarcadores.

"O sistema iLoF serve de arquivo a 'impressões digitais' de várias doenças e encontra-se a ser desenvolvido com o objetivo de permitir, num futuro próximo, testes rápidos e pouco invasivos em doenças como o Alzheimer, Acidente Vascular Cerebral, Parkinson ou cancro", refere o instituto do Porto.

De acordo com o INESC TEC, neste artigo, a equipa de investigadores conseguiu mostrar, com uma precisão "acima de 90%", que o sistema é "capaz de discriminar dois modelos de células cancerígenas humanas" com o mesmo fundo genético, mas com um perfil de glicosilação (reação química onde um carboidrato é adicionado a outra molécula, chamada de recetora) diferente.

Citada no comunicado, Joana Paiva, uma das autoras do artigo, adianta que, atualmente, a deteção destas alterações é feita através de "ensaios dispendiosos, morosos e complexos, que recorrem a técnicas que requerem infraestruturas laboratoriais avançadas".

"Este trabalho que publicamos mostra que o sistema iLoF é capaz de identificar as células com perfil de glicosilação cancerígeno distinto com uma precisão acima de 90% através de um método simples que pode ser utilizado, futuramente, em qualquer local", refere.

O instituto do Porto avança ainda que, face à necessidade de se desenvolverem dispositivos "cada vez mais pequenos e inteligentes", a equipa de investigadores prevê incorporar o sistema num "dispositivo fácil de manusear para a identificação do cancro".

"Este dispositivo permitiria uma seleção das células vivas circulantes capturadas de acordo com as suas características biológicas. Além disso, o sistema pode constituir um avanço significativo em futuras metodologias de deteção de cancro e outras doenças com base no rastreamento rápido de células individualizadas", conclui Joana Paiva, atual diretora de tecnologia da 'spin-off' iLoF -- intelligent Lab on Fiber, nascida no INESC TEC.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Opinião Ver mais