Duas dezenas de pessoas concentram-se em Lisboa para pedir a libertação de Rui Pinto

Lusa 29 de janeiro de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de novembro a 1 de dezembro
As mais lidas

A vigília à porta do Estabelecimento Prisional anexo à PJ, em Lisboa, foi promovida pelo Movimento Mais Cidadania e juntou cerca de duas dezenas de pessoas, que empunhavam fotografias de Rui Pinto e acenderam velas.

Duas dezenas de pessoas concentraram-se hoje em Lisboa para exigir que seja aplicado a Rui Pinto a diretiva europeia contra o branqueamento de capitais para que o 'hacker' seja libertado e colabore com as autoridades no combate à corrupção.

rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro
rui pinto vigilia lisboa 29 janeiro

A vigília à porta do Estabelecimento Prisional anexo à Polícia Judiciária (PJ), em Lisboa, foi promovida pelo Movimento Mais Cidadania e juntou cerca de duas dezenas de pessoas, que empunhavam fotografias de Rui Pinto e acenderam velas, encontrando-se entre elas a dar apoio à causa a psicóloga e comentadora Joana Amaral Dias.

A antiga política disse que a concentração destina-se a exigir ao Estado português que aplique a 4.ª diretiva que diz respeito ao branqueamento de capitais e que determina que todos os Estados-membros da União Europeia (UE) protejam todas as pessoas que fazem denúncias desse tipo de crimes, "coisa que efetivamente Rui Pinto fez e não está a ser protegido, porque está detido [preventivamente] ao contrário de estar a ser defendido".

"Temos os ladrões à solta e aqueles que são os denunciantes estão presos. Isto existe porque a justiça não fez o seu papel, a justiça não fez o seu caminho. Esta situação do saque, do esbulho ao povo angolano é conhecida há muito tempo, foi denunciada por muitas pessoas, desde o Rafael Marques, a muitas outras, e a justiça fez alguma coisa. Se era assim tão falado porque é que não avançou, quando o próprio Rui Pinto terá feito denúncias ao Ministério Público (MP) sobre esta matéria que não foram ouvidas nem atendidas?", questionou, em declarações à agência Lusa.

Joana Amaral Dias considerou que, "entre o vazio legal que não protege o denunciante e uma justiça completamente castrada e refém de outros interesses, não havia qualquer outra possibilidade que restasse ao Rui Pinto senão cometer este ato de cidadania".

"Rui Pinto não devia estar preso, devia estar a ser chamado a colaborar com a justiça portuguesa, como tem sido na justiça belga, alemã, angolana e francesa, que já deu consequências quando foi o caso do "Football Leaks".

Entende que o estatuto de denunciante, que ministra da Justiça disse que será transposto para a lei portuguesa no prazo de um ano, "não se aplica a Rui Pinto, o que num caso lato seria o ideal, mas no concreto é restrito e tem uma aplicação muito limitada, por isso bastaria, se o Estado português quisesse aplicar a 4.ª diretiva".

"É inaceitável o que está a acontecer em Portugal atualmente, porque temos efetivamente alguém que está a contribuir para a resolução de crimes que está preso, enquanto todas as outras, desde Ricardo Salgado, a Oliveira e Costa, a Isabel dos Santos estão soltas, perante os crimes de milhões e milhões", vincou.

Joana Amaral Dias acrescentou que Rui Pinto "terá cometido os seus erros, mas deu um contributo muito importante, muito valioso para a sociedade portuguesa e ainda pode contribuir mais e por isso é que tem de ser solto".

Da mesma opinião é Carlos Magalhães, do Movimento Mais Cidadania, que entende, "sem querer meter a foice em seara alheia porque este é um problema da justiça", que na situação do Rui Pinto pode-se falar num pequeno crime porque tentou extorquir, um crime de pirataria, mas o que ele sabe poderia ser aproveitado pelas autoridades policiais e judiciárias para chegar à grande criminalidade, como é o crime de corrupção".

Também acha que devia ser libertado para colaborar com a justiça, independentemente de ser julgado e condenado 'a posteriori', nesta fase devia colaborar com as autoridades, não faz sentido estar em prisão preventiva.

"Era mais positivo do ponto de vista da cidadania e do erário público saber estas questões do submundo e dessas vigarices todas ao nível da corrupção seria mais importante libertá-lo e a polícia aproveitá-lo, de forma controlada, e depois sim, se houve crime de extorsão tem de pagar por isso", declarou à Lusa.

Apoiante, mas não favorável à libertação do 'hacker' por motivos de segurança, Hernâni Pinho compareceu na vigília, como cidadão interessado, "por uma questão de cidadania", por considerar "uma injustiça e um passo atrás, em termos civilizacionais até" que não se use a colaboração de Rui Pinto, detido preventivamente desde de 22 de março de 2019, para combater crimes de corrupção.

"Não sei se libertar, por uma razão simples, não é que ele não tenha que pagar pelo ilícito, mas já houve um que se enforcou, não sei se ele não estará mais seguro lá dentro. Agora lá dentro, mas a colaborar com a Polícia Judiciária", concluiu.

Rui Pinto, que se encontra preso preventivamente por suspeita de crime informático e tentativa de extorsão, já assumiu, segundo os seus advogados, a responsabilidade de ter entregue, no final de 2018, à Plataforma de Proteção de Denunciantes na África (PPLAAF), um disco rígido contendo todos os dados relacionados com as recentes revelações sobre a fortuna de Isabel dos Santos, sua família e todas as pessoas que podem estar envolvidos nas operações fraudulentas cometidas à custa do Estado angolano e, eventualmente, de outros países estrangeiros.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais