Costa: "A ilusão de que é possível tudo para todos, já não existe isso"

Cátia Andrea Costa , Lusa 21 de novembro de 2017
As mais lidas

Primeiro-ministro diz que os recursos disponíveis não podem ser só alocados a quem trabalha no Estado.

O primeiro-ministro, António Costa, assumiu que é "uma ilusão" pensar-se que é possível que todas as expectativas sejam respondidas ao mesmo tempo, em consequência das exigências de várias classes referentes ao descongelamento de carreiras. A opinião do líder do Executivo socialista convergiu com as declarações do Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, feitas na segunda-feira. "A crise deixou marcas profundas, é uma ilusão achar que é possível voltar ao ponto em que nos encontrávamos antes da crise – isso não há!", afirmou Marcelo durante uma conferência na Fundação Gulbenkian, cujo tema era a educação, citado pelo Público.  

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Em Tunes, na Tunísia, Costa recordou que a consolidação financeira é fundamental e que os recursos disponíveis não podem ser só alocados a quem trabalha no Estado. "A ilusão de que é possível tudo para todos, já não existe isso. Temos de negociar com bom senso, com responsabilidade, procurando responder às ansiedades das pessoas, mas com um princípio fundamental: Portugal não pode sacrificar tudo o que conseguiu do ponto de vista da estabilidade financeira, porque isso, no futuro, colocaria em causa o que foi até agora conquistado", alegou.

O primeiro-ministro afirmou mesmo que um "princípio fundamental" do programa do Governo "é a consolidação das finanças públicas, a eliminação do défice e a redução da dívida para desonerar a economia e as finanças públicas portuguesas".

"Todos estes objectivos devem ser cumpridos para aumentar a capacidade de o País investir onde é necessário. Se queremos investir mais na qualidade da educação, na qualidade do sistema de saúde e nos serviços públicos não podemos consumir todos os recursos disponíveis com quem trabalha no Estado", defendeu o líder do executivo.

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro sublinhou que o seu Executivo, com a linha até agora seguida, permitiu que Portugal possua agora "o maior crescimento económico desde o princípio do século, o menor défice desde o início da democracia, uma redução muito significativa da taxa de desemprego, com melhorias em simultâneo das condições de vida e um nível de confiança recorde".  "Temos de manter essa linha. É preciso responsabilidade para que haja irreversibilidade nos passos dados por este Governo", acrescentou.

Questionado sobre o eventual aumento do défice no próximo ano, em vez dos projectados 1,1% com a contabilização das despesas para a prevenção e combate a incêndios, o primeiro-ministro recusou que essa fasquia seja ultrapassada.

"O défice para 2018 está fechado. Tendo sido tomada a decisão política de incorporar no Orçamento as medidas que em 2018 são possíveis - e que decorrem do relatório da Comissão Técnica Independente sobre incêndios -, isso tem naturalmente consequências sobre a previsão do défice. Agora, no que respeita a outras matérias, não haverá qualquer alteração" em relação à meta do défice em 2018, frisou António Costa.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais