Catalunha: Uma centena de pessoas protestou em Lisboa contra prisão de independentistas

Lusa 16 de outubro de 2019
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 6 a 12 de maio
As mais lidas

O Supremo Tribunal de Espanha condenou, na segunda-feira, 12 líderes independentistas que tentaram declarar a independência da região em 2017 a penas de prisão de até 13 anos.

Cerca de uma centena de pessoas reuniu-se esta terça-feira na Avenida da Liberdade, em Lisboa, para protestar contra a condenação de nove independentistas catalães, uma manifestação organizada pela Assembleia Nacional Catalã e onde estiveram militantes do Bloco de Esquerda.

Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa
Protestos Catalunha em Lisboa

O Supremo Tribunal de Espanha condenou, na segunda-feira, 12 líderes independentistas que tentaram declarar a independência da região em 2017 a penas de prisão de até 13 anos.

Estas condenações são consideradas "inaceitáveis" pela Assembleia Nacional Catalã (ANC), tendo o seu representante Paulo Pereira afirmado à Lusa que se trata de um atentado à liberdade.

"É inadmissível que, num Estado que se diz democrático, se coloquem políticos eleitos democraticamente e em maioria parlamentar na prisão durante - alguns deles - 13 anos", disse.

Por isso e porque a organização achou que os portugueses, "enquanto povo" e "defensores da democracia", têm de responder, decidiu convocar a manifestação.

"Temos de marcar uma posição, não podemos colaborar com estas formas violentas de agredir um povo e agredir o que devia ser a expressão democrática", referiu Paulo Pereira, lembrando que o presidente da Assembleia Nacional Catalã, Jordi Sánchez, foi condenado na segunda-feira a nove anos de prisão "por defender o que devia ser a expressão democrática, fazer uma manifestação pacifica e organizar um referendo".

A ANC, criada em 2012 é, segundo o seu representante, a maior organização civil da Catalunha, com mais de 100 mil associados.

"Os presos políticos são uma forma de repressão e, obviamente, não devia estar a acontecer. Acima de tudo [temos de] prezar o que são os direitos democráticos e, mais do que isso, o que são os direitos humanos", concluiu Paulo Pereira.

No protesto, que despertou a curiosidade de vários turistas, estavam espalhados cartazes com a palavra "liberdade" em catalão, português e inglês, e quase toda a gente gritava pela libertação imediata dos presos políticos.

Além de bandeiras da Catalunha, alguns manifestantes mostravam também bandeiras do Bloco de Esquerda em apoio à causa, posição que a deputada Isabel Pires fez questão de sublinhar.

"Está a ser feito um ataque brutal a direitos humanos e direitos políticos", disse a parlamentar à Lusa, acrescentando que se está a "criminalizar a participação e organização de manifestações e, na verdade, tudo o que é dissidência política ou diferença de opinião".

Lembrando que o partido já tinha declarado a sua posição na segunda-feira, Isabel Pires defendeu que os problemas políticos não podem ser resolvidos pela via judicial.

"É isso que hoje, aqui e em vários países por toda a Europa, está hoje a acontecer. Esta concentração [pretende] apelar a que exista uma resolução política para um problema que é político e acabar com a perseguição e com a judicialização daquilo que é um problema político", declarou.

Na segunda-feira, o Tribunal Supremo espanhol condenou os principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha a penas que vão até um máximo de 13 anos de prisão, no caso do ex-vice-presidente do governo catalão.

O ex-vice-presidente da Generalitat, Oriol Junqueras, foi condenado, por unanimidade, a 13 anos de cadeia por delito de sedição e má gestão de fundos públicos, os ex-conselheiros da Jordi Turull (ex-conselheiro da presidência), Raul Romeva (ex-conselheiro do Trabalho) e Dolors Bassa (ex-conselheira para as Relações Exteriores) foram condenados a 12 anos por delitos de sedição e má gestão, o antigo titular do cargo de conselheiro do Interior, Joaquim Forn e Josep Rull (Território) foram condenados a 10 anos de cadeia e Jordi Cuixart, responsável pela instituição Òmnium Cultural, foi condenado a nove anos de prisão por sedição.

Ao todo eram 12 os separatistas que aguardavam a leitura da sentença pelo seu envolvimento nos acontecimentos que levaram ao referendo ilegal sobre a autodeterminação da Catalunha realizado em 01 de outubro de 2017 e à declaração de independência feita no final do mesmo mês.

Nove deles já estavam presos preventivamente, enquanto o ex-presidente do executivo regional Charles Puigdemont faz parte de um grupo de separatistas que continuam no estrangeiro e que não foram julgados.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais