Carlos César elogia solução de Governo à esquerda mas coloca reservas à entrada do BE e PCP

Lusa 18 de março de 2019
As mais lidas

"Nas circunstâncias atuais, dificilmente veria Catarina Martins como ministra dos Negócios Estrangeiros ou Jerónimo de Sousa como ministro da Defesa Nacional", comentou o presidente do PS.

O presidente do PS, Carlos César, elogiou esta segunda-feira a "experiência bem sucedida" de governo com o apoio da esquerda parlamentar mas colocou reservas quanto à hipótese de BE e PCP integrarem um futuro executivo.

"Nas circunstâncias atuais, dificilmente veria Catarina Martins como ministra dos Negócios Estrangeiros ou Jerónimo de Sousa como ministro da Defesa Nacional", comentou o também líder parlamentar do PS em entrevista à rádio Antena1, da RTP.

Confrontado com a ambição já manifestada pela coordenadora do BE de levar o partido para o Governo, Carlos César considerou que isso só poderia acontecer se os bloquistas alterassem os seus posicionamentos, numa alusão a matérias relacionadas com a União Europeia ou com a Defesa nacional.

"Penso que o cenário mais fácil é o da repetição desta experiência, naturalmente com outros acordos, visto que estes foram esgotados neste exercício", defendeu, considerando, porém, que "o PCP e o BE têm de ir além de uma perspetiva sindical com que abordam muitos dos temas" e manifestando expectativa quanto à explicitação das propostas dos comunistas e bloquistas na campanha eleitoral para as legislativas.

César considerou que os méritos da atual solução governativa "devem ser repartidos" pelo PS, PCP, BE e PEV e, quando questionado sobre a conclusão de Catarina Martins de que António Costa e Passos Coelho são iguais a lidar com os problemas do sistema financeiro, enquadrou essa afirmação na campanha eleitoral e na necessidade de agradar às "diversas composições internas" dos bloquistas.

O BE é "um partido com uma composição muito plural, até contraditória" e há muitas vezes a necessidade de "acalmar algumas dessas composições internas", argumentou.

Quanto às próximas eleições presidenciais, Carlos César não fechou a porta a um apoio socialista a uma recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa mas insistiu: "a eleição presidencial não é uma eleição partidária" e, por isso, os partidos apoiam os candidatos, não os lançam.

Sobre a regionalização, o líder parlamentar socialista admitiu como "muito provável que ainda não esteja em causa no próximo quadriénio".

Questionado pela jornalista Natália Carvalho, da Antena1, se vai ocupar o cargo de presidente da Assembleia da República na próxima legislatura, caso o PS ganhe as eleições, César começou por responder que nem sequer tencionava participar no atual ciclo da vida partidária, mas foi convidado pelo primeiro-ministro e aceitou ocupar cargos partidários.

"O PS deve prosseguir o caminho que está a fazer de renovação", defendeu, afirmando que "quando chegar o seu tempo", dará conta das conversas mantidas com António Costa sobre o seu futuro político.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais