Avença paga pela Ordem dos Advogados dá processo-crime

O Conselho Fiscal da Ordem dos Advogados comunicou à procuradora-geral da República pagamentos a uma advogada que alegadamente nada fazia no Conselho Superior.

Dirigido à procuradora-geral da República Lucília Gago, o documento do Conselho Fiscal da Ordem dos Advogados (OA) – classificado como “confidencial” – foi recebido a 14 de dezembro do ano passado no Ministério Público (MP). Assinado pelo presidente Jorge Bacelar Gouveia, trata-se na prática de dar seguimento a uma denúncia feita pela presidente do Conselho Superior da OA, Paula Lourenço, sobre suspeitas de falsificação de documentos e viciação de contabilidade para pagamentos de uma avença interna a uma advogada, Iolanda Gávea.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais