MP abre inquérito a ataque racista a sessão virtual de estudantes do Liceu Camões

Lusa 23 de fevereiro
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

Queixa diz respeito a ataques racistas e neonazis no âmbito de uma sessão virtual sobre racismo organizada pela associação de estudantes da escola em Lisboa.

O Ministério Público confirmou hoje a abertura de um inquérito na sequência de uma queixa relativa a ataques racistas e neonazis no âmbito de uma sessão virtual sobre racismo organizada pela associação de estudantes do Liceu Camões, em Lisboa.

 Inês Gomes Lourenço

"Confirma-se a instauração de inquérito na sequência de uma queixa recebida. Este inquérito é dirigido pelo Ministério Público do DIAP de Lisboa", adiantou a Procuradoria-Geral da República à Lusa.

O jornal Público noticiou hoje que a direção do histórico liceu lisboeta apresentou queixa depois de a sessão ter sido atacada, de forma anónima, por mais do que uma pessoa com a introdução de imagens racistas, como imagens de suásticas ou de pessoas negras a ser violentadas, e de áudios, em inglês, nos quais eram audíveis frases como "preto volta para África" ou sons a imitar macacos, que se sobrepunham às intervenções ou aos rostos dos intervenientes.

A Polícia Judiciária está a investigar o caso e a direção da escola procura encontrar estratégias para que situações como esta não se repitam.

Segundo o Público, Nuno Coelho, professor de Design da Universidade de Coimbra, que participava na sessão, apresentou também ele queixa ao Ministério Público e à Comissão pela Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR).

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Opinião Ver mais