Os paradoxos criados por Ivo Rosa
Carlos Rodrigues Lima Subdiretor
16 de abril

Os paradoxos criados por Ivo Rosa

Durante anos, muita gente andou a bater à porta errada: afinal, segundo o juiz, o “dono disto tudo” era Carlos Santos Silva e não Ricardo Salgado. A narrativa de Ivo Rosa permite outra conclusão: Zeinal Bava foi um “totó” quando devolveu 17 milhões de euros.

Um dos maiores problemas com que qualquer aldrabão se debate ao tentar reescrever uma história prende-se com a ligação entre os detalhes. A vontade de alterar a narrativa esbarra, na maioria dos casos, na colagem dos pormenores às personagens. Foi isto mesmo que aconteceu com a Operação Marquês: o juiz Ivo Rosa quis ficar na história, reescrevendo a narrativa e o encadeamento dos factos e personagens. Resultado: um completo nonsense.

Uma das primeiras consequências do despacho diz respeito a Zeinal Bava. Considerado durante anos como o melhor CEO da Europa, quiçá do mundo, a esta hora o antigo administrador executivo da PT deve ainda estar com sequelas do ataque de fúria que teve após a decisão instrutória da Operação Marquês, que acabou por revelar a sua má decisão de gestão em matéria de finanças pessoais. Então não é que o antigo mago da gestão da Portugal Telecom foi, em 2017, a correr devolver 17 milhões de euros à massa insolvente da Espírito Santo International (ESI) para tentar evitar uma acusação de corrupção, mas, se tivesse ficado quieto, nas próximas semanas ainda poderia desfrutar do dinheiro?

Não pense, caro leitor, que o que acabou de ler é um absurdo. Não é. As suspeitas de corrupção (em que se incluíam os tais 17 milhões de euros) contra Zeinal Bava e Henrique Granadeiro foram arquivadas pelo juiz Ivo Rosa, que ordenou o levantamento das apreensões e arrestos no processo. Ou seja, mesmo que aquela quantia tivesse ficado arrestada, o antigo gestor poderia dispor da mesma nas próximas semanas, uma vez que um eventual recurso do Ministério Público contra a decisão de Ivo Rosa pode não suspender o levantamento das apreensões e arrestos de património.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais