A vitória do 'socialismo científico'
Carlos Rodrigues Lima Subdiretor
11 de março

A vitória do "socialismo científico"

As mais lidas

O governo, finalmente, parece ter aprendido que uma pandemia não se combate nem com "fezadas", nem com "milagres". A ciência ocupou, finalmente, o seu lugar.

Infelizmente, foi preciso esperar quase um ano e uns milhares de mortes para o governo - e sobretudo António Costa - perceber que isto não vai lá com "milagres" e "fezadas", mas sim com ciência e planeamento rigoroso. O primeiro-ministro desta quinta-feira, dia 11 de março de 2011, foi muito diferente do primeiro-ministro do ano passado: menos exultante com os resultados alcançados com o confinamento, mas mais prudente e cauteloso, medindo os passos e as decisões.

É certo que por detrás da planificação esteve - goste-se ou não - a mão de Marcelo Rebelo de Sousa que, mais do católico, é hipocondríaco, por isso mais sensível aos argumentos dos especialistas. É que, se recuarmos a 2020, ao primeiro sinal de um queda dos números, Costa correu a abrir tudo e mais alguma coisa, desenfreadamente, como se recordam. Desafiando até os portugueses a frequentarem cafés e restaurantes. Isto enquanto o resto do mundo ainda não tinha uma resposta cabal para a Covid-19. Mas, para o primeiro-ministro, em Portugal tudo se resolvia com improviso. Aliás, se bem se recordam, o uso da máscara passou a ser obrigatório a partir do momento que uma vizinha lhe sugeriu isso mesmo.

Finalmente, temos um plano de desconfinamento: creches, escolas, comércio local, venda ao postigo e por aí em diante. Tudo faseado e calendarizado: 

A 15 de março, vão abrir:

- Creches, pré-escolar e 1.º ciclo (e ATLs para as mesmas idades);

- Comércio ao postigo;

- Cabeleireiros, manicures e similares;

- Livrarias, comércio automóvel e mediação imobiliária;

- Bibliotecas e arquivos.

A 5 de abril, seguem-se:

- 2.º e 3.º ciclos (e ATLs para as mesmas idades);

- Equipamentos sociais na área da deficiência;

- Museus, monumentos, palácios, galerias de arte e similares;

- Lojas até 200 m2 com porta para a rua;

- Feiras e mercados não alimentares (por decisão municipal);

- Esplanadas (máx. 4 pessoas);

- Modalidades desportivas de baixo risco;

- Atividade física ao ar livre até 4 pessoas e ginásios sem aulas de grupo.

A 19 de abril, vai abrir:

- Ensino secundário;

- Ensino superior;

- Cinemas, teatros, auditórios, salas

- de espetáculos;

- Lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação;

- Atividade física ao ar livre até 6 pessoas e ginásios sem aulas de grupo;

- Eventos exteriores com diminuição de lotação;

- Casamentos e batizados com 25% de lotação

- Todas as lojas e centros comerciais;

- Restaurantes, cafés e pastelarias (máx. 4 pessoas ou 6 em esplanadas) até às 22h ou 13h ao fim de semana e feriados;

- Modalidades desportivas de médio risco;


A 3 de maio, segue-se:

- Restaurantes, cafés e pastelarias (máx. 6 pessoas ou 10 em esplanadas) sem limite de horário;

-  Todas as modalidades desportivas;

- Atividade física ao ar livre e ginásios

- Grandes eventos exteriores e eventos interiores com diminuição de lotação;

-  Casamentos e batizados com 50% de lotação

O anúncio desta quinta-feira centrou António Costa no "socialismo científico", ouvindo e transpondo para a decisão política os dados dos especialistas: método, estudo e acção. Costa abandonou o que até aqui vigorou: o "socialismo utópico" de combate à pandemia, que, em resumo, defendia que meia dúzia de conceitos, como a ingestão de chá de limão com mel, chegavam para combater o vírus. Portugal pode, finalmente, ter entrado num bom caminho para o combate à Covid-19.

Mas, desconfinar progressivamente é apenas o início de uma guerra que está longe de terminar. Qualquer desvio obriga-nos a regressar à casa de partida, ao confinamento forçado, no fundo, ao isolamento social. Agora, sim, tudo depende de nós e não das medidas do governo.

Mais crónicas do autor
10 de setembro

Os juízes das bolas de Berlim

A história do moleiro e do seu moinho é contada nas escolas de Direito como metáfora para os Direitos, Liberdades e Garantias, conquistas fundamentais da sociedade moderna, que têm sido postergadas em favor do absolutismo do Ministério Público.

03 de setembro

Os meninos Tonecas de António Costa

A ficção dos preferidos de António Costa foi um momento brilhante. O PS arrastou toda a gente para uma novela interna ao mesmo tempo que anunciava a cura para todos os males da República, só faltando mesmo meter a Covid-19: a bazuca.

27 de agosto

A síndrome do burlão das autárquicas

A cerca de um mês das eleições autárquicas, a Judiciária prendeu um sujeito que se fazia passar por político, pedindo dinheiro a empresários a troco de futuras decisões favoráveis. Até aqui, tudo bem. O problema é que muitos aceitaram pagar.

30 de julho

Dias de Libertação há muitos...

António Costa prometeu que o DLTS (Dia da Libertação Total da Sociedade) chegará algures no fim do verão. Será um dia destes e envolverá um desembarque das tropas do vice-almirante Gouveia e Melo. A propaganda está no auge.

23 de julho

Alegadamente, em abril

O mais importante processo dos últimos anos – Operação Marquês – acabou reduzido a pouco mais de nada. A academia ignorou um excelente caso e já o esqueceu, até porque há duas novas séries a estrear: Joe Berardo e Luís Filipe Vieira.

Mostrar mais crónicas
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Opinião Ver mais