EUA advertem que NATO defenderá aliados de qualquer agressão russa

Lusa 03 de maio de 2016
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, advertiu esta terça-feira que a NATO defenderá os seus aliados contra qualquer agressão russa

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, advertiu hoje que a NATO defenderá os seus aliados contra qualquer agressão russa, ao intervir na tomada de posse do novo comandante das forças aliadas na Europa.

A NATO vai "manter a porta aberta à Rússia" para a cooperação em desafios globais à segurança, mas Moscovo deve abandonar a linguagem ameaçadora, disse Carter.

"Cabe ao Kremlin decidir. Não queremos uma guerra com a Rússia, não queremos fazer da Rússia um inimigo. Mas que fique claro: defenderemos os nossos aliados, a ordem internacional baseada em regras e o futuro positivo que nos permite", disse.



Ashton Carter falava na cidade alemã de Estugarda, na cerimónia de transferência de comando para o general Curtis Scaparrotti, comandante das forças dos Estados Unidos na Coreia do Sul e, a partir de hoje, comandante supremo da NATO na Europa.

Scaparrotti sucede ao general norte-americano Philip Breedlove, naquelas funções desde maio de 2013.

As tensões ocidentais com a Rússia assentam na campanha aérea russa de apoio ao regime de Bashar al-Assad na Síria e no apoio dado aos rebeldes separatistas do leste da Ucrânia, que culminou na anexação da península da Crimeia em Março de 2014.

Desde o conflito na Ucrânia, a NATO estabeleceu nos seus membros do Leste europeu uma força de reação rápida, um comando avançado e centros logísticos.

Na semana passada, a Alemanha anunciou estar a avaliar o envio de tropas para a Lituânia no âmbito de uma missão da Aliança Atlântica para reforçar o flanco leste.

Numa breve intervenção, Scaparrotti afirmou que a NATO se confronta com "desafios à lei internacional" pela Rússia na Ucrânia e na região separatista georgiana da Ossétia do Sul.

"Enfrentamos também a ameaça imediata que o terrorismo representa, como o mundo testemunhou nas recentes tragédias de Bruxelas, Paris e Ancara", disse.

"E enfrentamos um afluxo significativo de migrantes e de refugiados que desafiam o tecido social da Europa", acrescentou.

A NATO tem uma operação no Mar Mediterrâneo para impedir as embarcações de migrantes que partem da Turquia de chegar às ilhas gregas e a Itália já pediu uma operação semelhante ao largo da Líbia.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais