Como sobrevive uma marca centenária

Juliana Nogueira Santos 06 de janeiro de 2019

Passaram por guerras, incêndios e invasões, alguma mudaram de sócios e de nome outras viram o tea boy passar a presidente.

O número 77 da Rua Nova do Almada, em Lisboa, acolheu em 1785 a primeira residência da Casa Batalha, a única marca de bijuteria portuguesa até meados do século XX. Duzentos anos depois, esta iria ficar reduzida a cinzas depois da passagem do incêndio do Chiado. Mas nem por isso a marca deixou de existir. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais