Como as Finanças sabem tudo sobre a sua vida

Como as Finanças sabem tudo sobre a sua vida
Bruno Faria Lopes 11 de fevereiro de 2020

A máquina fiscal recolhe informação como nunca. O investimento feito no sistema para combate à evasão fiscal tornou-o cego e a atropelar direitos dos contribuintes.

É num imponente edifício pombalino, construído no fim do século XVIII para ser o celeiro público do reino, que trabalham hoje os 200 peritos do Fisco que pertencem à Unidade de Grandes Contribuintes. A unidade segue as maiores empresas e os contribuintes mais ricos, que juntos valem mais de 20 mil milhões de euros em receita fiscal, quase metade do total arrecadado pelo Estado. Lá dentro, a tecnologia usada contrasta cada vez mais com a idade do edifício.

Na unidade são gerados vários alertas informáticos, com recurso a inteligência artificial, sobre a vida financeira daqueles contribuintes - e é ali que se trabalha parte da nova informação enviada desde o ano passado por outras jurisdições fiscais, sobre contas bancárias de portugueses no estrangeiro. A mera comunicação às pessoas de que o Fisco sabe que têm uma conta no exterior, que pode ou não ter sido declarada, chega para pôr várias a pagar. Só no espaço de uma tarde algumas chamadas telefónicas renderam recentemente 4 milhões de euros em impostos regularizados voluntariamente, sabe a SÁBADO.

A história de amor do banqueiro Jardim Gonçalves e Assunção

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais