Ricardinho: "Há seis meses, estava numa cama de hospital, a sofrer a minha pior lesão de sempre"

Record 04 de outubro
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de outubro
As mais lidas

Portugal conquistou o primeiro título mundial da sua história na modalidade após derrotar a antiga campeã Argentina, por 2-1. 

Ricardinho foi eleito o melhor jogador do Mundial de futsal e não escondeu a alegria na zona mista da Zalgiris Arena, na cidade lituana de Kaunas, onde Portugal conquistou o primeiro título mundial da sua história na modalidade após derrotar a então campeã Argentina, por 2-1. 

"É incrível este feito. Mostrámos que, além de sermos campeões da Europa, queríamos mais. Queríamos uma medalha, como dissemos desde o princípio, mas, quando conseguimos chegar à final, fomos uns guerreiros incríveis. Fomos uma família de 17 jogadores, mas foram 11 milhões a empurrar-nos e sentimos que podíamos ser os melhores. Espero que estejam orgulhosos de nós, porque nós somos orgulhosamente portugueses e vamos levar o futsal ainda mais acima", afirmou o capitão português.

"Tenho pena de só ter conseguido uma [taça de Mundial]. Na Colômbia, sentimos o amargo de não termos conseguido nenhuma medalha e, agora, queríamos sentir o doce. Estamos de parabéns. Vamos dar ainda mais alegrias a toda a gente", acrescentou. 

O ala, de 36 anos, lembrou ainda a grave lesão que quase colocou em risco a sua presença no Mundial. "No meu caso pessoal, foi uma batalha brutal e individual. Há seis meses, estava numa cama de hospital, a sofrer a minha pior lesão de sempre, uma cirurgia brutal. Já chorei tudo, já não saem mais lágrimas. Seis meses depois, levantar juntamente com estes grandes campeões a taça do mundo é brutal."

Outras reações

Bebé: "Ninguém me vai tirar das nuvens, porque nós merecemos. Este grupo merece e o Jorge Braz merece. Há um futsal antes do Jorge Braz e um futsal depois do Jorge Braz. Estamos todos agradecidos pelo que ele tem feito. Dá-nos uma confiança tremenda. Ele acredita mais em nós do que nós próprios."

João Matos: "Sabemos que era muito importante saber competir e estarmos confortáveis mesmo em momentos desconfortáveis. Houve jogos em que fomos a prolongamento e em que não era necessário sofrer tanto e hoje soubemos competir. Fomos extremamente inteligentes, conseguimos controlar muitos momentos do jogo e soubemos sofrer. Um campeão do mundo também tem de ter uma 'estrelinha'. Acho que foi o jogo mais consciente da nossa parte. A nossa abordagem foi extremamente inteligente e facilitou-nos o jogo. Sabíamos que a Argentina sofre muito poucos golos. Fomos uns valentes guerreiros e demos a vida. Foi uma fase de 'mata-mata' complicada em termos físicos, com algum cansaço psicológico e físico e lesões que temos de suportar a este nível. A minha preparação mental para este jogo foi completamente diferente, estava muito mais tranquilo e confiante. Conquistámos a Europa e o mundo. É inenarrável e é difícil de acreditar, mas merecemos muito isto pelo que trabalhámos. Estávamos com uma interligação espetacular. Fomos uns grandes heróis."
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais