Trabalho, exercício físico e jardim beneficiam saúde mental no isolamento

Lusa 14 de abril de 2020
As mais lidas

Os níveis de ansiedade, depressão, stresse e sintomas obsessivo-compulsivos diminuem gradualmente com a idade, revela o estudo da Universidade do Minho.

O trabalho, o exercício físico e o baixo consumo de notícias sobre a pandemia são fatores protetores da saúde mental no isolamento, segundo os primeiros indicadores de um estudo da Universidade do Minho (UMinho), foi hoje anunciado.

Em comunicado, a UMinho refere que outra conclusão do estudo é que ter um jardim em casa também ajuda.

Por outro lado, o estudo não identificou benefícios da presença de animais domésticos durante o confinamento.

A equipa de investigação é constituída por psiquiatras, psicólogos e neurocientistas do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde da Escola de Medicina da UMinho e é liderada por Pedro Morgado e Maria Pico-Pérez.

O estudo vai decorrer até cessarem as medidas de confinamento decretadas pelo Estado português.

Segundo estes primeiros dados, recolhidos entre 23 e 30 de março, os homens apresentam melhores indicadores de saúde mental do que as mulheres em termos médios, "o que acompanha as tendências que se verificam fora deste contexto de isolamento e pandemia".

Os níveis de ansiedade, depressão, stresse e sintomas obsessivo-compulsivos diminuem gradualmente com a idade, uma tendência que, acrescenta o comunicado, "deverá ser analisada com maior pormenor ao longo das semanas seguintes do estudo".

O estudo conclui ainda que a existência de um jardim na habitação de confinamento também surge associada a melhores indicadores globais em termos de ansiedade, depressão e stresse.

"É um dado curioso que pode eventualmente ser explicado pelo facto de as pessoas que dispõem de jardim terem melhores indicadores no período prévio ao confinamento determinado pela situação de pandemia", lê-se no comunicado.

Manter o trabalho, seja em regime presencial seja através de teletrabalho, também revelou ser um fator positivo para a saúde mental.

Por outro lado, os autores do estudo consideram que o tempo de consumo de informação nos media e redes sociais sobre a covid-19 "também parece influenciar a saúde mental".

"Verificou-se que aqueles que passam mais de uma hora a consumir este tipo de informação apresentam piores indicadores globais de saúde mental em todas as categorias estudadas", refere o comunicado.

Praticar exercício físico regularmente e manter as consultas de psicologia são outros contributos para uma boa saúde mental.

Os autores ressalvam que a amostra analisada de 1.280 sujeitos "não é representativa da população nacional".

Ao longo das semanas que durar o confinamento, mais de 2.000 participantes do estudo serão convidados a preencher uma bateria de testes e escalas que permitem traçar o retrato da saúde mental de cada um.

Estes testes avaliam níveis de stresse, ansiedade, sintomas de depressão, sintomas obsessivo-compulsivos, caraterísticas de personalidade, problemas de sono e qualidade de vida, bem como aspetos relacionados com os hábitos de cada pessoa ao longo do tempo.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais