Siga o nosso canal no WhatsApp e não perca as grandes histórias da SÁBADO. Seguir

Quatro exposições para ver esta semana em Lisboa

Quatro exposições para ver esta semana em Lisboa
Markus Almeida 12 de fevereiro de 2020

Gabriel Abrantes, Pedro Gomes, Joana Escoval e Bernardo Marques têm mostras individuais no MAAT, no Museu Nacional do Chiado, no Coleção Berardo e na Galeria de Arte e Antiguidades São Roque

Da videoarte e instalação às artes plásticas contemporâneas, passando pela pintura modernista, há um pouco de tudo para ver em Lisboa por estes dias. A começar pelo MAAT, que inaugura nesta quarta-feira, 12 de fevereiro, na Central Tejo uma exposição de Gabriel Abrantes, cineasta formado em Belas-Artes que em 2009 venceu o Prémio Novos Artistas da Fundação EDP e em 2019 estreou a sua primeira longa-metragem, Diamantino, depois de uma década de curtas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Cuidados Intensivos

Hooligans

Nos debates, ganha quem o hooligan quer que ganhe – e isso é válido para o hooligan anónimo, que grita para o televisor “Dá-lhe, Pedro Nuno!”, como para o hooligan em estúdio, que apesar de usar fato e gravata também está de tronco ao léu, agarrado à vedação do estádio, a chamar nomes ao árbitro.

Talvez crónica

Somos feitos da curiosidade que temos

Uma pessoa que se rende à falta de curiosidade nunca vai saber o que está a perder. Deixa-se ficar deitada a apanhar pó por dentro, enquanto a vida lá fora avança em passos largos e fugidios. As respostas ficam cabisbaixas trancadas numa sala, a trocarem olhares entre elas, ansiosas por se virem mostrar como nunca antes as viram.

A Lagartixa e o jacaré

Debates

O papel dos comentários pós-debates ajuda a fixar uma impressão, mesmo quando a composição dos comentadores parece de antemão favorecer um lado ou outro. Parece e é. A maioria dos comentadores é hoje favorável à direita.

No país emerso

O feminista António Pinto Pereira

O Dr. Pinto Pereira só afirma que as mulheres “são muito mais importantes e valiosas do que os homens” precisamente porque as perceciona como seres frágeis, carentes de proteção e merecedoras da sua condescendência, honrando os valores machistas do seu partido