Qual é o preço de se ser solteira em Portugal?

SÁBADO 23 de março de 2019

Quem casa quer casa, mas quem opta por ficar sozinha também. O problema está em tudo o resto. O aumento desmesurado das rendas devido à invasão estrangeira e a consequente subida do custo de vida que daí advém está a colocar sérias dificuldades no quotidiano de quem não divide contas. Fomos entender qual é, afinal, o preço de se ser solteira nessas condições, em Portugal.

"Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria." Reconhece este excerto? Faz parte de uma crónica publicada no Expresso, nos idos de 2000, da autoria de Miguel Esteves Cardoso. Intitulada de Elogio ao Amor, o autor desenhava nela um retrato idílico daquilo que, para si, deveria ser o amor. E daquilo que ele, na realidade, era: "O amor dos contratos pré-nupciais, passível de ser combinado, ou das sopas e descansos." Ao longo do texto, Esteves Cardoso vai repetindo e reforçando que "o amor é uma coisa, a vida é outra", revoltando-se contra a ideia do amor moderno, o amor que dá jeito. Relembro-me do alarido em torno da peça, principalmente por parte de uma maioria solteira que assistia a uma declaração pública (e aplaudida) dos seus ideais: casar só porque sim, nem pensar. Uma amiga (solteira) dizia-me, a propósito do tema que resolvi trazer à superfície: "Não estou para engolir ‘sapos’ e aturar um homem só para ter estabilidade financeira. Só estou com alguém por amor." 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais