Afinal o que é isso da flexibilidade curricular?

Afinal o que é isso da flexibilidade curricular?
Vanda Marques 14 de setembro de 2018

No dia em que arrancam as aulas em muitas escolas portuguesas, falámos com a professora Ana Cláudia Cohen, autora do Guia da Flexibilidade Curricular para tentar perceber o que vai mudar.

"Os alunos não gostam que as aulas sejam sempre iguais." É desta forma que a directora de agrupamento de Escolas de Alcanena e autora do livro Guia da Autonomia e Flexibilidade Curricular defende as vantagens deste programa.

Durante o último ano lectivo, 235 escola de todo o país testaram a flexibilidade curricular. Neste projecto-piloto, as escolas tinham a liberdade de gerir 25% do tempo lectivo com as novas formas de ensino. Por exemplo: diferentes formas de organização, unir matéria de diferentes disciplinas, ou até criar outras novas, como a junção de físico-química e ciências. Poderiam ainda transformar disciplinas anuais em semestrais. Outra sugestão seria alternar semanas normais de trabalho com semanas a desenvolver só um tema.

No livro, com vários exemplos práticos, como unir físico-química e matemática para trabalhar de forma integrada o que é o consumo eléctrico, "estatísticas discretas e contínuas". De que forma? Estudar qual é o consumo eléctrico da sua família durante uma semana? Até pode ser integrada a componente tecnologia, como o uso de telemóveis nas aulas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais