Edições do dia Manhã
Secções
Entrar

Nos anos 80, Maria quis que o filho tivesse residência alternada. E conseguiu Exclusivo

Juliana Nogueira Santos 01 de junho de 2020

No Dia da Criança, conheça o caso do filho de Maria, que já crescido agradeceu aos pais: "Sentiu-se privilegiado porque tinha colegas na mesma situação que os pais não se entendiam".


A guarda dos filhos é habitualmente um motivo de choque entre um casal que se esteja a divorciar. No caso de Maria, passado nos anos 80, o choque deu lugar ao acordo, quando ela e o seu agora ex-marido decidiram que o único filho não iria ficar em guarda partilhada, como era e é mais frequente, mas sim em regime de residência alternada.

Getty Images

"Na altura não havia as figuras jurídicas que há agora. O que havia era a atribuição de morada única", aponta Maria (nome fictício) à SÁBADO. "O juiz perguntou como era a situação da morada da família e não existia nada disso na lei. Eu e o pai da criança entendemos que o nosso filho poderia ter guarda partilhada e a atribuição de morada de família poderia ser alterada."

Na prática isto significava que a criança de 11 anos não teria nenhuma morada definida, mas que tinha a liberdade de ficar com qualquer um dos progenitores, de uma forma flexível, e que as responsabilidades eram igualmente partilhadas entre mãe e pai. "Os juízes não estavam habituados a que os progenitores estivessem de acordo neste assunto", continua Maria.

Em dezembro, baixaram à Comissão de Direitos, Liberdades e Garantias as propostas apresentadas pelo PS, PSD, CDS, Bloco de Esquerda e PAN para que a residência alternada seja o regime preferencial de regulação do poder parental em caso de divórcio. A ideia surgiu na sequência de uma petição pública apresentada na Assembleia da República em 2018, que está em linha com as recomendações quer da Procuradoria-Geral da República, quer do Conselho Superior do Ministério Público.

Do outro lado, as críticas estão relacionadas com o facto de não ser necessária nenhuma alteração à legislação, porque esta situação já acontece por omissão. Para além disso, a rigidez da lei pode fazer com que as crianças, desta forma, sejam obrigadas a ir para um lar que pode não ter as condições suficientes para os criar ou até onde já foram alvo de violência de qualquer forma.

Flexibilidade é o melhor para as crianças
Para Vanda Duarte, psicóloga forense da Best Medical Opinion, qualquer que seja a solução deve sempre ser flexível e adaptada a cada caso: "O que resulta com uma família pode não resultar com outra. E a criança tem de estar sempre no centro da decisão." Segundo a psicóloga, encarregue diariamente de fazer avaliações a progenitores nos casos de regulação de responsabilidade parental, "tudo o que for inflexível é difícil porque a lei tem de ser feita para se ajudar à realidades das famílias."

Foi essa flexibilidade que regeu Maria e o ex-marido no processo de tomada de decisão e que foi depois aplaudido pelo seu filho, quando o mesmo cresceu. "Foi excelente para ele, sentiu-se privilegiado porque tinha colegas na mesma situação que os pais não se entendiam. Até se sentiam culpados", afirma à SÁBADO.

"Há muita coisa a fazer antes de chegar a um ponto onde não se consegue decidir nada", continua ainda Vanda Duarte. "Há a mediação familiar, por exemplo, tantas coisas que impedem a incapacidade dos casais de decidirem e que acaba por dificultar a vida das crianças.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana

A guarda dos filhos é habitualmente um motivo de choque entre um casal que se esteja a divorciar. No caso de Maria, passado nos anos 80, o choque deu lugar ao acordo, quando ela e o seu agora ex-marido decidiram que o único filho não iria ficar em guarda partilhada, como era e é mais frequente, mas sim em regime de residência alternada.

"Na altura não havia as figuras jurídicas que há agora. O que havia era a atribuição de morada única", aponta Maria (nome fictício) à SÁBADO. "O juiz perguntou como era a situação da morada da família e não existia nada disso na lei. Eu e o pai da criança entendemos que o nosso filho poderia ter guarda partilhada e a atribuição de morada de família poderia ser alterada."

Na prática isto significava que a criança de 11 anos não teria nenhuma morada definida, mas que tinha a liberdade de ficar com qualquer um dos progenitores, de uma forma flexível, e que as responsabilidades eram igualmente partilhadas entre mãe e pai. "Os juízes não estavam habituados a que os progenitores estivessem de acordo neste assunto", continua Maria.

Para continuar a ler
Para continuar a ler
´
Artigos Relacionados
Aqui vai ficar a recomendação
As mais lidas
Investigação
Investigação SÁBADO

Paula perdeu os dentes, gengivas e osso em onze cirurgias falhadas

TextoAna Leal
FotosRicardo Meireles
Portugal

Desertor russo quer viver em Portugal

TextoAna Leal
FotosDR
Investigação SÁBADO

Grupo empresarial suspeito de descargas poluentes sem castigo

TextoCláudia Rosenbusch
Fotosfotos d.r.
Portugal

Investigação SÁBADO. Golpe ao telefone

TextoMárcia Sobral
FotosPedro Catarino
Investigação SÁBADO

Arrábida: o faroeste legal agravou-se

TextoCláudia Rosenbusch
FotosMiguel Baltazar
Portugal

Investigação SÁBADO. Os superassessores de Lisboa

TextoMaria Henrique Espada
Desporto

Snus: o polémico estimulante que é visto como a "nova droga" dos jogadores de futebol

TextoMargarida Gaidão com Márcia Sobral
FotosSÁBADO / Nelson Malcata