PS quer permitir inseminação "post mortem"

Lusa 16 de fevereiro de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 5 a 11 de agosto
As mais lidas

Pedro Delgado Alves referiu que "o PS já apresentou por três vezes essa iniciativa legislativa, duas das quais na legislatura 2011/2015 e a última em 2016".

O vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves afirmou hoje que está em ponderação a apresentação de um projeto para consagrar a inseminação "post mortem" no âmbito da procriação medicamente assistida (PMA).

parlamento orçamento assembleia republica
Assembleia da República
Parlamento Assembleia da República
parlamento orçamento assembleia republica
Assembleia da República
Parlamento Assembleia da República

Numa resposta por escrito a perguntas formuladas pela agência Lusa, Pedro Delgado Alves referiu que "o PS já apresentou por três vezes essa iniciativa legislativa, duas das quais na legislatura 2011/2015 e a última em 2016".

De acordo com Pedro Delgado Alves, trata-se de uma matéria com posição consolidada do PS desde 2012", havendo agora uma petição sobre o tema dirigida à Assembleia da República "pelo que o Grupo Parlamentar [socialista] está a reavaliar a apresentação da iniciativa".

Uma mulher que pretende engravidar do marido que morreu, Ângela Ferreira, solicita alterações à lei da procriação medicamente assistida, tendo reunido as assinaturas necessárias para um debate e votação no parlamento de uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC), que permite que grupos de eleitores possam apresentar projetos de lei e participar no procedimento legislativo, disse a própria à Lusa na quinta-feira passada.

O Diário de Notícias noticiou este fim de semana que Ângela Ferreira conseguiu 95.800 assinaturas e que o documento já foi entregue na Assembleia da República.

"No final da próxima semana, iremos aprofundar a análise e a decisão", completou Pedro Delgado Alves.

O vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS salientou depois à agência Lusa que a lei em vigor, "no artigo 22, já admite a inseminação 'post mortem' mediante projeto parental expressamente desejado pelo casal".

"O que está em causa é apenas evitar que o facto de ainda se estar numa fase menos avançada do procedimento de inseminação impeça um tratamento igual a casos idênticos, de vontade expressa do casal", especificou.

No projeto apresentado pela bancada do PS em 2016, mas que acabou reprovado por PSD, CDS-PP e PCP, entre outros princípios, pretendia-se introduzir "alterações destinadas a regular, em conformidade com as alterações já referidas quanto aos beneficiários, a definição da parentalidade nos casos de recurso à PMA por casais".

"A presente iniciativa admite igualmente um pequeno alargamento da possibilidade (já admitida na lei em vigor) de inseminação 'post mortem', sempre que tal corresponda a um projeto parental previamente consentido pelo dador. Efetivamente, a evolução científica no âmbito das técnicas de reprodução assistida erradicou a visão da infertilidade enquanto facto inultrapassável e determinado pela natureza (em que as pessoas que não podiam ter descendência biológica se conformavam com esse facto), para se passar a defender que estamos perante direitos reprodutivos, para alguns enquadrados mesmo na quarta geração de direitos fundamentais, enquanto direito a ter filhos mesmo quando o corpo não o permite", lê-se nesse projeto de lei de 2016.

Artigos Relacionados