Mortalidade diminuiu em outubro face a 2020 e houve menos óbitos por covid-19

Lusa 12 de novembro
As mais lidas

As mortes atribuídas à covid-19, em outubro deste ano foram 183, 2% do total de óbitos e menos 39 óbitos relativamente a setembro, quando comparado com o período homólogo.

A mortalidade aumentou ligeiramente em outubro face ao mês anterior, mas diminuiu em relação ao período homólogo de 2020, segundo dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que registou menos óbitos por covid-19.

Os dados preliminares são apresentados nas "Estatísticas Vitais" mensais do INE, que revelam que no passado mês de outubro registaram-se 9.314 mortes, mais 749 comparativamente a setembro de 2021.

Apesar desse aumento, o número de óbitos registados no último mês ficou abaixo do registado no mesmo período de 2020, contabilizando-se agora menos 576 mortes, o equivalente a menos 5,8%.

Quanto a mortes atribuídas à covid-19, em outubro deste ano houve 183 casos, 2% do total de óbitos e menos 39 óbitos relativamente a setembro, quando comparado com o período homólogo.

O INE aponta ainda que o total de óbitos registados de janeiro a outubro de 2021 fixou-se nos 103.211, superando os valores de 2019 e 2020 em 10.318 e 4.017 mortes, respetivamente.

"Apesar da redução da mortalidade observada a partir de março de 2021 comparativamente com os mesmos meses de 2020, esta não compensou o elevado número de óbitos registados em janeiro e fevereiro de 2021", sublinha o relatório.

Fazendo um balanço mensal do número de óbitos em 2021, o INE aponta janeiro como o mês em que se registou o maior número de mortes desde o início da pandemia: 19.671, mais 7.809 ou 65,8% em relação ao mesmo mês de 2020, ainda antes de a pandemia da covid-19 atingir Portugal.

Do total de óbitos, 5.785 foram por covid-19, representando 29,4% da mortalidade nesse mês e o máximo mensal de óbitos por covid-19.

Em fevereiro, a mortalidade começou a reduzir, mantendo essa tendência entre março e setembro, com exceção do mês de agosto, quando o número foi de 9.196.

Quanto à natalidade, em setembro de 2021, registaram-se 7.117 nados-vivos, correspondendo a uma quebra de 7,1% relativamente ao mesmo mês de 2020. Desde janeiro, o número total de nados-vivos fixou-se nos 58.732, menos 6.208 do que em 2019 e menos 5.452 do que em 2020.

"Não obstante a recuperação nos nascimentos a partir de março de 2021, o número total de nados-vivos entre os meses de janeiro a setembro de 2021 (58.732) foi sempre inferior ao verificado nos mesmos meses de 2019 e de 2020, representando, respetivamente, um total de menos 6.208 e menos 5.452 nados-vivos", lê-se na publicação. 

 O saldo natural no passado mês de setembro foi de menos 1.427, ligeiramente superior ao do mês homólogo de 2020, que registou o valor de menos 1.331.

As "Estatísticas Vitais" divulgam também dados sobre os casamentos realizados que, sublinha o INE, devem ser lidos considerando o contexto pandémico e as restrições impostas nesse período.

Em setembro, celebraram-se 4.430 casamentos, correspondendo a 1,5 vezes o número de casamentos realizados em setembro de 2020, ou seja, mais 1.571.

De janeiro a setembro de 2021 foram celebrados mais 8.293 casamentos do que no período homólogo de 2020 e menos 4.353 do que no período homólogo de 2019.
Artigos Relacionados