Ex-porta-voz diz em tribunal que Netanyahu estava “obcecado com a sua imagem”

Lusa 22 de novembro
As mais lidas

Neste processo, entre outras acusações, a justiça considera que Netanyahu concedeu favores governamentais que podem ascender a milhões de dólares a Shaul Elovitch, então patrão da sociedade Bezeg, em troca de uma cobertura mediática favorável pelo ‘site’ Walla, um dos ‘media’ do grupo.

O ex-primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu estava "mais que obcecado pelo controlo da sua imagem nos ‘media’", disse esta segunda-feira o seu antigo porta-voz, no processo por corrupção num caso de tráfico de influência com um ‘site’ noticioso local.

Maya Alleruzzo/Pool via REUTERS
"Benjamin Netanyahu é mais do que um ‘control freak’ [obcecado pelo controlo]. No que respeita aos ‘media’, pretende saber tudo até ao ínfimo pormenor (…)", declarou no tribunal de Jerusalém Nir Hefetz, uma testemunha decisiva do procurador.

"Desde 2009 que a gestão e o controlo destas interações com os ‘media’ são absolutos. O seu controlo é total e completo", prosseguiu.

O testemunho de Hefetz neste mediatizado processo judicial em Israel estava previsto para a semana passada, mas foi adiado pelo tribunal para hoje após um pedido dos defensores do ex-primeiro-ministro.

Neste processo, entre outras acusações, a justiça considera que Netanyahu concedeu favores governamentais que podem ascender a milhões de dólares a Shaul Elovitch, então patrão da sociedade Bezeg, em troca de uma cobertura mediática favorável pelo ‘site’ Walla, um dos ‘media’ do grupo.

Benjamin Netanyahu, que hoje compareceu brevemente no tribunal, já se declarou inocente do conjunto das acusações.

O seu processo foi iniciado em 2020, quando ainda ocupava o cargo de primeiro-ministro. Hoje está remetido à função de chefe da oposição.

Hefetz declarou no tribunal que em 2015, pouco antes da data das eleições, Elovitch o contactava regularmente para pressionar o Governo a aprovar a fusão do seu grupo empresarial com o operador de televisão por cabo Yes, e pedir que o próprio fosse designado futuro ministro das Comunicações, uma pasta então também detida por Netanyahu.

"À época, ele [Elovitch] pensava que seria melhor que o acordo com o Yes fosse assinado antes", indicou Hefetz, acrescentando que Elovitch lhe remeteu uma lista dos melhores candidatos que considerava poderem ocupar a pasta das Comunicações no próximo Governo.

O ex-porta-voz disse ter recebido documentos fornecidos por Shaul Elovitch e que de seguida entregou a Netanyahu na sua residência oficial.

Logo após a consulta dos documentos, Netanyahu "pediu pelo telefone à sua secretária que organizasse um encontro com Elovitch", acrescentou Hefetz, cujo testemunho foi frequentemente interrompido pelo advogado de Elovitch.