Associação de Discotecas com "muitas dúvidas" sobre novas regras

Lusa 25 de novembro
As mais lidas

"Neste momento, há muitas dúvidas no ar, começando pelo facto de não percebermos muito bem a situação dos testes" , disse o presidente da Associação de Discotecas Nacional.

O presidente da Associação de Discotecas Nacional disse hoje precisar de mais informações para se pronunciar sobre as novas regras no âmbito da pandemia e admitiu que um modelo de testagem como o da Madeira poderia ser "benéfico".

Bares e discotecas abrem a 1 de outubro sem restrições de ocupação
Bares e discotecas abrem a 1 de outubro sem restrições de ocupação
"Neste momento, há muitas dúvidas no ar, começando pelo facto de não percebermos muito bem a situação dos testes" que será necessário apresentar para ir a discotecas e bares a partir de 01 de dezembro, mesmo no caso de vacinados contra a covid-19, disse à Lusa o presidente da Associação de Discotecas Nacional, José Gouveia.

A entrada nos espaços de diversão noturna vai estar sujeita à apresentação de teste negativo à covid-19, mesmo para vacinados, a partir daquela data, estando as discotecas e os bares encerrados entre 02 e 09 de janeiro, anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa.

Para José Gouveia, para se poder pronunciar, a Associação de Discotecas Nacional tem de perceber que "tipo de testes" serão necessários para entrar nos espaços de diversão noturna, "a sua durabilidade" e "de que forma devem ser apresentados".

A exigência de testes negativos de covid-19 não será necessariamente um constrangimento, acrescentou.

"Se estivermos a falar de um teste à imagem daquilo que se está a fazer na Madeira, que é um teste semanal que dá acesso a todas as atividades, parece-me a mim que todos concordarão que será benéfico e que haverá uma participação massiva", disse José Gouveia.

Já "um teste que é só para sair à noite", representando "mais um custo para o utente da noite", já será diferente e "não estará muito certo", acrescentou.

Outro aspeto que a associação precisa de ver esclarecida antes de se pronunciar são "os apoios para quem vai estar encerrado" na semana de 02 a 09 de janeiro, sendo assim necessário esperar pela publicação da legislação hoje aprovada pelo Conselho de Ministros.

A entrada nos bares com espaço de dança e discotecas, que abriram em 01 de outubro depois de encerrados cerca de 19 meses devido à pandemia, estava até agora cingida apenas à apresentação do certificado digital, que podia ser relativo a vacinação, recuperação ou de realização de teste negativo.

O encerramento das discotecas e dos bares, de 02 a 09 de janeiro, decorre numa "semana de contenção de contactos", referiu o primeiro-ministro, em que também as escolas estarão fechadas e o teletrabalho voltará a ser obrigatório.

António Costa apresentou hoje, numa conferência de imprensa após uma reunião do Conselho de Ministros, em Lisboa, um conjunto de medidas relativas à pandemia que entrarão em vigor a partir de 01 de dezembro.
Artigos Relacionados