Obituário

Larry Flynt: o improvável símbolo da liberdade de expressão

Larry Flynt: o improvável símbolo da liberdade de expressão
Catarina Moura 11 de fevereiro

Fundador da Hustler em 1974, Larry Flynt é uma figura controversa. Publicou fotos não autorizadas de Jackie Kennedy nua e tratou as mulheres como pedaços de carne, enquanto se pronunciava contra a pena de morte e Donald Trump.

Improvável símbolo da liberdade de expressão e milionário opositor de Donald Trump, Larry Flynt fez fortuna com a sua Hustler, revista pornográfica violenta e sensacionalista. Morreu na quarta-feira, 10 de fevereiro, aos 78 anos, depois de uma paragem cardíaca, anunciou o seu irmão, Jimmy Flynt.

Quanto fundou a escandalosa Hustler, em 1974, Larry Flynt achava a Playboy desatualizada em relação ao que os homens procuravam numa revista erótica. A Hustler chegava ao mercado feita de imagens explícitas, de um discurso sensacionalista, humor ácido e paródias políticas. Depois de vários números sem bons resultados nas vendas, o grande salto da revista dá-se no ano seguinte, quando publica fotografias de Jacqueline Onassis, viúva do antigo presidente Kennedy e então casada com milionário grego Aristotle Onassis.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login