Rui Rio: "É um imperativo do Estado despenalizar a eutanásia"

O presidente do PSD apresenta o seu testemunho sobre a eutanásia no livro "Morrer com dignidade – a decisão de cada um". Conheça a opinião de Rio, que a SÁBADO divulga em exclusivo.

Perde-se na história do tempo a discussão sobre o direito de qualquer cidadão ter uma morte digna, respeitando a sua liberdade, ainda que para tal tenha de receber a ajuda de terceiros, familiares ou profissionais de saúde.

Mas não podemos ignorar que cada época é marcada pelas suas próprias dinâmicas, ora mais passivas, ora mais ativas, quase sempre sob a pressão do pensamento dominante, que tanto pode ser tendencialmente marcado pelas lógicas conservadoras, ou catalisador de mudanças comportamentais, do indivíduo ou do grupo.

Aos Estados compete fazer uma leitura correta das tendências de cada tempo, interpretar as múltiplas vontades de maiorias ou minorias, consagrando em lei o equilíbrio possível dos direitos de uns e de outros, salvaguardando o bem comum, sem pôr em causa os impulsos legítimos da liberdade individual.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais