Portugal é um país racista, disse o pivot. "Olhe que eu não acho..."

Portugal é um país racista, disse o pivot. 'Olhe que eu não acho...'
Marco Alves 22 de outubro

Apresentador da RTP África disse a Ossanda Liber que o país era "estruturalmente racista". A ex-candidata à Câmara Municipal de Lisboa discordou.

"Aliás, tem uma vivência muito particular de vivência cá, enquanto mulher africana a viver em Portugal, um país que estruturalmente é racista. Acha que essa experiência pode..." A frase do apresentador da RTP África (David Dias) não terminou porque Ossanda Liber não concordou com o que tinha acabado de ouvir.  "Ah bom, [Portugal] é racista?" E o jornalista: "Eu penso que estruturalmente sim". "Mas você acha, é?", ripostou a franco-angolana, que vive em Portugal há 17 anos e foi candidata nas últimas Autárquicas para a câmara de Lisboa pelo movimento Somos Todos Lisboa.

"Acho, não tenho dúvidas disso", respondeu David Dias à sua convidada no programa Conversas ao Sul, que passou ontem na RTP África. "Olhe que eu não acho. Acho que há pessoas racistas, outras que são desligadas, que não aceitam a evolução, a hsitória. Há pessoas que não gostam de pessoas mais gordas, pessoas mais baixas. Há discriminação e intolerância em tudo."

Ossanda Liber, que não é portuguesa (recorde-se que a lei permite a candidatura de cidadãos de alguns países), obteve 864 votos (0,36%) nas Autárquicas de 26 de setembro. Apesar de "conhecer obviamente bem a realidade angolana, porque sou angolana", diz que apenas equaciona a política em Portugal. "É aqui que eu moro e é esta realidade que vivo." Foi aqui que David Dias lhe falou do racismo "estrutural" que diz existir em Portugal porque "há um passado que não feito e há certo desligamento de algumas questões pela maioria da sociedade que não as vive todos os dias."

ossanda

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais