Ovários, Marxismo e militantes com pedigree, como pensa o Chega profundo

Ovários, Marxismo e militantes com pedigree, como pensa o Chega profundo
Pedro Henrique Miranda 22 de setembro de 2020

No fim de semana de convenção, várias moções setoriais foram apresentadas e discutidas. Há de tudo um pouco.

De todas as intervenções realizadas no II Congresso Nacional do Chega, realizado em Évora no passado fim-de-semana, uma chamou particular atenção: a apresentação de uma proposta, de nome "Moção Estratégica Global para Portugal", que defendia, entre outras medidas, a remoção dos ovários das mulheres que recorram ao Serviço Nacional de Saúde para o aborto.

A moção, apresentada por Rui Roque, ex-militante do Partido Nacional Renovador (hoje chamado Ergue-te), foi chumbada, disse André Ventura pelo Twitter, acrescentando que "é preciso sermos sérios, não vale tudo para atacar o CHEGA". Mas esteve longe de ser a única declaração controversa a surgir no congresso eborense.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais