Operação Marquês: Sócrates garante que Carlos Santos Silva é "honestísssimo"

SÁBADO , Lusa 30 de outubro de 2019
As mais lidas

Juiz Ivo Rosa questionou, durante quase seis horas de interrogatório, o antigo primeiro-ministro sobre a sua relação com Carlos Santos Silva, de quem Sócrates recebeu dinheiro, segundo a acusação, a troco de benefícios para o grupo Lena.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates classificou, esta quarta-feira, de "infeliz e imprópria" uma declaração do procurador Rosário Teixeira e pede que ele se retrate. A afirmação do antigo governante foi feita à entrada para o terceiro dia de interrogatório da fase de instrução da Operação Marquês, na qual é acusado de crimes económicos.

Sócrates
Sócrates EPA/RODRIGO ANTUNES
"Hoje reparei numa declaração do senhor procurador que dizia que no final se faziam as contas. Considero-a completamente infeliz e imprópria", afirmou.  O antigo primeiro-ministro vincou que a frase do procurador do Ministério Público que liderou a investigação "é muito reveladora daquilo que esteve sempre na base deste processo". Isto é "uma motivação pessoal", concluiu Sócrates.


Na terça-feira, o procurador Rosário Teixeira disse a alguns jornalistas que Sócrates pode dizer o que entender nesta fase processual porque no final é que se fazem as contas, respondendo ao facto de o ex-governante ter apelidado a acusação de "delirante". Rosário Teixeira, à entrada para o tribunal não se furtou a falar aos jornalistas para dizer que não atacou ninguém, que "é uma invenção" e que não falou em "ajuste de contas". "Esta é a fase da defesa, os arguidos podem dizer o que quiserem e as contas fazem-se no final depois de apreciada toda a prova" afirmou. O procurador lembrou que o papel do Ministério Público é "sustentar a prova e fazer a leitura dos indícios de forma a construir uma acusação".

De acordo com a Lusa, o juiz Ivo Rosa questionou, durante quase seis horas de interrogatório, o antigo primeiro-ministro sobre a sua relação com Carlos Santos Silva, de quem Sócrates recebeu dinheiro, segundo a acusação, a troco de benefícios para o grupo Lena. O antigo governante defendeu o seu amigo e também arguido na Operação Marquês Carlos Santos Silva, dizendo que ele é "honestíssimo".

A construção de 50 mil casas na Venezuela, no tempo do Presidente Hugo Chavez, pelo Grupo Lena, segundo a acusação a troco de benefícios financeiros de vários milhões para Sócrates, foi outro dos temas tratados hoje, segundo as fontes, tendo, mais uma vez, o ex-governante negado tudo e até exibido um documento elaborado pelo seu gabinete, na altura, que funcionaria como um guião sobre os assuntos a tratar com o chefe de Estado venezuelano e no qual não constava o grupo empresarial da zona de Leiria.

A acusação do Ministério Público considera que Sócrates terá recebido do Grupo Lena, através do seu ex-administrador Joaquim Barroca, também arguido, luvas de mais de 2,8 milhões de euros e que globalmente foi subornado com seis milhões de euros para favorecer o grupo em vários negócios, com especial incidência na Venezuela.

O antigo primeiro-ministro disse também ao juiz que desconhecia os negócios da XLM -- Sociedade de Estudos e Projetos, empresa de Carlos Santos Silva, que também é arguida no processo e para a qual a sua ex-mulher alegadamente trabalhou, indicaram as fontes.

Para a acusação, Sofia Fava beneficiou de transferências de dinheiro do ex-marido não declaradas às autoridades tributárias e de Carlos Santos Silva que utilizou para pagar o Monte das Margaridas, verba que lhe foi dada após a simulação de uma relação de trabalho com empresas lideradas por este último, tais como a XLM - Sociedade de Estudos e Projetos Lda.

O interrogatório prossegue na tarde de quinta-feira, mas, segundo a mesma fonte, há fortes probabilidades de não se conseguir terminar no mesmo dia esta fase de defesa do antigo primeiro-ministro que tenta, perante o juiz, evitar ser julgado por corrupção, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal.

Para quinta-feira está previsto que Sócrates seja confrontado com o dinheiro que recebeu de contas de Carlos Santos Silva e que sempre justificou como "empréstimos" do amigo, mas que para o Ministério Público fazem do empresário o "testa de ferro" do antigo governante socialista.

Sócrates está acusado de corrupção, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada. Ao todo, a Operação Marquês conta com 28 arguidos, acusados de 188 crimes.

Considera o MP que Sócrates recebeu, entre 2006 e 2015, um total de 34 milhões de euros, a troco de favorecimento a interesses do Grupo Espírito Santo, na concessão de financiamento por parte do banco público ao empreendimento Vale do Lobo e ao Grupo Lena, dinheiro esse que terá sido movimentado por contas de Carlos Santos Silva, o empresário amigo do ex-governante também acusado neste processo.

A fase de instrução, facultativa e requerida por 19 arguidos, visa apurar se existem indícios suficientes para o processo seguir para julgamento e, se sim, em que termos.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais