O que querem os motoristas de matérias perigosas?

O que querem os motoristas de matérias perigosas?
Diogo Camilo 16 de abril de 2019

Greve iniciou-se na madrugada de segunda-feira e promete parar as estradas e os ares de Portugal. Funcionários reclamam o reconhecimento da categoria profissional e o aumento do salário - de 630 euros para 1200.

Os motoristas de matérias perigosas juntaram-se, a partir da meia-noite desta segunda-feira, e paralisaram os transportes pela terra e pelo ar. Em Lisboa e Faro, os aeroportos já têm o abastecimento de combustível cortado, com um voo da TAP a ser mesmo cancelado. Nas bombas de gasolina por todo o país, a gasolina e o gasóleo também já começam a faltar. Mas o que reclamam os trabalhadores e qual o seu objetivo com esta greve?

Em Portugal são mais de 800 os camionistas especializados em transportar matérias perigosas como materiais explosivos ou inflamáveis, como combustíveis, químicos, radioativos e até mesmo oxigénio. Para habilitação, os condutores necessitam de uma certificação ADR, que é emitida pelo IMT e tem uma validade máxima de cinco anos.

Deste número de motoristas, cerca de 600 estão afiliados ao Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), criado em 2018 através da conversão com a Associação Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, que surgiu no ano anterior.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais