"Faltam três mil médicos no SNS"

'Faltam três mil médicos no SNS'
Lucília Galha 14 de novembro de 2019

Este número serviria só para colmatar as horas extraordinárias que são feitas pelos profissionais de saúde, anualmente, diz o sindicalista Jorge Roque da Cunha. Já quanto aos médicos no topo da carreira perderam-se 1600 nos últimos 10 anos e só 300 foram repostos.

Os médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) fazem por ano seis milhões de horas extraordinárias. "Se trabalham cerca de 47 semanas por ano, a 40 horas por semana, isso dá cerca de duas mil horas por ano. Ou seja, só para colmatar as horas extras seriam precisos mais 3 mil médicos", diz à SÁBADO Jorge Roque da Cunha, coordenador-geral do Sindicato Independente dos Médicos.

Tendo em conta que se gastam 100 milhões de euros em médicos prestadores de serviço, os chamados tarefeiros – a quem o SNS recorre para suprir necessidades por falta de profissionais –, então é fácil perceber que o Ministério da Saúde poderia colmatar as carências de recursos humanos nesta área.

Um dos principais problemas, alerta o sindicalista, tem a vem com a política de cativações. "Estamos longe de repor os profissionais de saúde que vão saindo, quer em termos de administrativos e de enfermeiros, e também de médicos", denuncia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais