Crime ou desespero? Quem é Sara, a mulher que abandonou o filho no lixo

Juliana Nogueira Santos 15 de novembro de 2019

Veio de Cabo Verde para Lisboa para estudar, mas desistiu. Desentendimentos com a família atiraram-na para a rua, já grávida. Sara não queria o bebé, mas teve medo de abortar.

Na noite de 5 de novembro, Sara Furtado estava com o companheiro de quatro meses, Milton Sydney, numa tenda montada na Avenida Infante D. Henrique, em Lisboa. Grávida de 36 semanas, a jovem de 22 anos começou a sentir contrações e sinais de ter entrado em trabalho de parto. Foi aí que saiu da tenda, sem que ninguém soubesse o que se passava, e acabou por ter o bebé de cócoras, à chuva e ao frio, sem qualquer auxílio. A partir daí, passaria a ser a mãe que deitou o filho no lixo. 

No entanto, Sara nem sempre viveu na rua. A jovem cabo-verdiana terá chegado a Portugal há dois anos, altura em que veio para estudar, mas acabou por abandonar os estudos, como aponta a decisão da Primeira Instância a que a SÁBADO teve acesso. Nessa altura vivia com a mãe, que regressou mais tarde a Cabo Verde. Sara mudou-se então para casa de uma irmã que também estava por Lisboa, mas terá saído em julho de 2019, devido a desentedimentos com a mesma. Nessa altura já estava grávida, a meio do período de gestação. 

A vida na rua 
Durante os quatro meses que passou na rua, Sara terá passado fome e frio. Vivia das moedas que lhe davam por ajudar a estacionar carros, da comida que ia encontrando nos caixotes do lixo e da sopa que, ao final do dia, os voluntários serviam aos sem-abrigo da zona. Ainda assim, terá sido acompanhada pelos centros de apoio ao sem-abrigo, nomeadamente o da Mouraria, onde acabaria por descobrir que estava grávida.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais