Bem-vindo às filas da Loja do Cidadão: 22 horas à espera

Bem-vindo às filas da Loja do Cidadão: 22 horas à espera
Alexandre R. Malhado 29 de maio de 2019

O jornalista da SÁBADO esteve duas madrugadas seguidas nas Lojas do Cidadão das Laranjeiras e de Odivelas e encontrou desespero, utentes exaltados e funcionários com medo. Até ex-membros do Governo são vítimas.

Quando cheguei à Loja do Cidadão das Laranjeiras, em Lisboa, no dia 23, o sol ainda não tinha nascido. Era pouco depois das 6h da manhã e já havia uma fila de quase 40 pessoas no exterior do edifício, que só viria a abrir daí a duas horas e meia. Estava frio, 12 graus, e homens e mulheres de todas as idades abrigavam-se como podiam da madrugada ventosa. O primeiro da fila estava enrolado em cobertores, sentado numa confortável cadeira de escritório, enquanto jogava Candy Crush num tablet - como chegou pelas 3h da manhã, "tinha de se distrair de alguma maneira". "Tenho de arranjar documentos muito urgentes das Finanças e da Segurança Social. Vim cedo porque já sei como isto funciona", explicou o homem de 40 anos, que preferiu não ser identificado. O seguinte da fila meteu-se na conversa, interessado: "Já estou aqui desde as quatro e tal e é a terceira vez em sete meses que faço uma loucura destas", disse José, um cidadão inválido que não sabe porque tem a sua reforma indeferida.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais