Provokatsiya & Pasmo
Paulo Batista Ramos
07 de dezembro de 2021

Provokatsiya & Pasmo

Estes últimos ataques à maior democracia europeia demonstram que Moscovo está a adquirir novas ciber capacidades e uma postura ainda mais ofensiva.

Na projeção do poderio russo, Putin tem usado, sistematicamente, a arma da provocação que é um recurso estratégico antigo, que visa confundir, desmotivar e desmobilizar os adversários. Para alcançar os objetivos, hoje em dia, a provocação pode englobar tanto manobras militares como ciberataques. 

Na zona de conflito que envolve a Ucrânia, Putin tem vindo a utilizar esta ferramenta política visando alterar a perceção da comunidade internacional relativamente à intervenção da Rússia no destino deste estado soberano. 

Quiçá, daqui a uns meses, acharemos natural a ocupação pela Rússia de mais um pedaço de território ucraniano, como sucedeu com o desmembramento do país, quando Moscovo decidiu amputar-lhe as regiões da Crimeia e Donbass. Tal como no passado, a Ucrânia será apresentada como território roubado aos russos, atualmente governado por uma espécie de regime neonazi. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui