Venezuela volta a acusar EUA de preparar golpe de Estado

Lusa 06 de janeiro de 2019
As mais lidas

Segundo o Ministério de Relações Exteriores, os Estados Unidos "ditam ordens" aos "governos subordinados da região" para "aprofundar o assédio e bloqueio contra o povo venezuelano".

O governo venezuelano voltou, este domingo, a acusar os Estados Unidos de promover um golpe de estado para afastar o presidente Nicolás Maduro do poder e apoderar-se dos recursos energéticos e minerais da Venezuela.

Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela
Maduro atentado Venezuela

"O governo da República Bolivariana da Venezuela denuncia, uma vez mais, perante a comunidade internacional, a tentativa do Governo dos Estados Unidos de consumar um golpe de Estado contra o Governo Constitucional e Democrático do Presidente Nicolás Maduro, ao promover o desconhecimento das instituições legítimas e democráticas do Estado venezuelano", explica um comunicado.

O documento, divulgado em Caracas pelo Ministério de Relações Exteriores, acrescenta que, "em dias recentes, porta-vozes do Governo norte-americano desataram numa série de ações hostis, a partir de falsos pressupostos, que procuram manipular a verdade, com o propósito de quebrar a estabilidade institucional e a paz da Venezuela".

Segundo o Ministério de Relações Exteriores, os Estados Unidos "ditam ordens" aos "governos subordinados da região" para "aprofundar o assédio e bloqueio contra o povo venezuelano".

"Esta conduta violadora do direito internacional, não é, em absoluto, nova" pois "documentos desclassificados, declarações de funcionários e investigações jornalísticas, têm demonstrado como, desde o ano 2002, as administrações norte-americanas se têm dedicado a promover, apoiar e financiar ações violentas à margem da Constituição e das leis venezuelanas, com o propósito de gerar uma mudança de regime pela força", lê-se no documento.

De acordo com o governo venezuelano, o objetivo dos Estados Unidos é "recuperar o controlo sobre os recursos energéticos e minerais que pertencem exclusivamente ao povo da Venezuela".

"A República Bolivariana da Venezuela expressa a sua condenação e reitera a sua denúncia sobre este plano" norte-americano.

No próxima quinta-feira, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tomará posse para um novo mandado presidencial (2019-2025), que a oposição e vários países questionam.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Nicolás Maduro, foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 (67,84%) votos.

Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de Direitos Humanos ou pela Constituição da Venezuela.

Segundo o presidente da Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do regime), Diosdado Cabello, Nicolás Maduro vai prestar juramento em 10 de janeiro, para um novo mandato presidencial (2019-2025), perante o Supremo Tribunal de Justiça.

O Grupo de Lima, composto pela Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru, já anunciaram que não vão reconhecer o novo mandato de Nicolás Maduro.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais