Filho de Bolsonaro não quer escolas a ensinarem feminismo

Cátia Andrea Costa 06 de janeiro de 2019

Eduardo também defende que só se deve ensinar língua portuguesa e que a história não deve ter uma visão esquerdista.

O filho do presidente do Brasil Eduardo Bolsonaro usou a redes sociais para lançar um apelo aos professores do ensino secundário, a quem pediu que não ensinem temas como o feminismo ou línguas estrangeiras. No mesmo texto, ainda falou sobre como deve ser dada a disciplina de História.

"Atenção professores: seu aluno que inicia agora o 1º ano do ensino médio não precisa saber sobre feminismo, linguagens outras que não a língua portuguesa ou história conforme a esquerda, pois o vestibular dele será em 2021 ainda sob a égide de pessoas da estirpe de Murilo Resende", escreveu o deputado federal eleito por São Paulo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais