O falso perito em serial killers cuja mulher assassinada nunca existiu

O falso perito em serial killers cuja mulher assassinada nunca existiu
Leonor Riso 13 de maio de 2020

Stéphane Bourgoin construiu uma carreira à base da sua experiência com assassinos em série. Um coletivo online desmascarou-o e às suas mentiras.

Um dos maiores peritos em homicídios de França foi desmascarado por um coletivo online, que não revela a identidade dos seus membros. Stéphane Bourgoin, de 67 anos, é considerado o maior especialista em assassinos em série de França: os seus mais de 40 livros sobre o assunto venderam milhões no país e os seus documentários passaram na televisão. 

Porém, em janeiro, Bourgoin recebeu um email que mudou tudo. O coletivo 4ème Oeil Corporation conduziu uma investigação chamada Serial Mytho (uma alusão a mitómano, ou mentiroso compulsivo) sobre as mentiras do falso especialista. Ao contrário do que alegava, não entrevistou 77 homicidas; não treinou na base do FBI em Quantico, EUA; nem a sua mulher foi assassinada. 

Segundo Bourgoin, a sua mulher fora morta em 1976 por um homem que, apanhado dois anos mais tarde, confessou 12 homicídios. Agora, à imprensa francesa, Stéphane diz ter-se inspirado no caso de Susan Bickrest, que conheceu num bar no estado da Flórida, EUA. Bickrest foi morta em 1975 por Gerald Stano, autor de 41 homicídios de mulheres e que acabou executado em 1998. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais