EUA

Jornal Washington Post revela como desmascarou "fonte" mentirosa

Jornal Washington Post revela como desmascarou 'fonte' mentirosa
Diogo Barreto 28 de novembro de 2017

Jornalistas sentiram que uma falsa testemunha o tentou ludibriar, por estar associada a um grupo conservador conhecido pelos ataques aos media.

O jornal norte-americano The Washington Post recebeu, ao longo das últimas semanas, várias denúncias de abusos sexuais imputadas ao candidato republicano a senador do Alabama, Roy Moore. No entanto, descobriu que uma das histórias era falsificada e decidiu revelar as conversas em off que manteve com a suposta vítima, por considerar que a aproximação ao jornal foi feita por "má fé". A investigação feita pelo jornal descobriu que a mulher pertencia afinal ao grupo conservador Project Veritas que é conhecido por tentar "apanhar" em falso órgãos de comunicação social que classifica de liberais.

A mulher, identificada pelo TWP, Jaime T. Phillips, de 41 anos, passou várias sessões com os jornalistas a contar uma história em que havia tido uma relação com Moore em 1992, que a levou a ter de fazer um aborto quando tinha 15 anos. Em 1992, Moore tinha 45 anos.

O jornal optou por não publicar os testemunhos da mulher devido a algumas incongruências na história. Confrontada com estes argumentos e com a pergunta de se tinha tentado ludibriar propositadamente o The Washington Post, a mulher negou. No entanto, os repórteres do jornal norte-americano viram-na entrar nos escritórios do Project Veritas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais