Ideias anti-migração ganham força na Dinamarca

Ideias anti-migração ganham força na Dinamarca
Diogo Barreto 11 de junho de 2018

Partidos moderados adoptaram ideias anti-migratórias apenas para conseguir mais votos, considera um político dinamarquês, crítico da aprovação da lei que proíbe as burcas.

Os deputados do parlamento dinamarquês aprovaram, recentemente, a lei que proíbe o uso de burcas no país. Uma lei que parece vir comprovar a ideia de que o país do norte europeu está a sofrer uma viragem ideológica, com o advento de um aumento dos apoiantes de partidos anti-imigrantes da ala direita, como o Povo Dinamarquês.

As burcas foram banidas no início de Junho e a lei prevê que quem quebrar duas vezes a regra deve pagar uma multa no valor de 10.000 kroners (aproximadamente 1.340 euros).

Há ainda em cima da mesa a hipótese de vir a ser aprovada uma segunda lei que tenha influência junto da comunidade muçulmana na Dinamarca: a proibição da circuncisão em crianças. Uma petição posta a circular recentemente pedia que este tema fosse levado e votado em Parlamento. A reunião de 50.000 assinaturas fez com que este projecto vá ser votado no Parlamento dinamarquês.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais