Covid-19: França poderá prolongar confinamento pelo menos até 10 maio

Lusa 12 de abril de 2020
As mais lidas

Balanço oficial divulgado sábado aponta para um total de 13.832 mortos pela doença em França, mais 635 que no dia anterior.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, poderá prolongar o confinamento no país pelo menos até 10 de maio, de acordo com fontes presidenciais citadas hoje pela agência France-Presse (AFP).

Emmanuel Macron nas Nações Unidas
Emmanuel Macron nas Nações Unidas

Interrogado sobre essa possibilidade, o gabinete de Macron, que se deverá dirigir aos franceses na segunda-feira à noite para falar sobre a gestão da crise provocada pela pandemia, não quis fazer qualquer comentário.

O Journal du Dimanche refere hoje a possibilidade de as medidas de confinamento devido à covid-19 se prolongarem até ao final de maio e de a reabertura das escolas acontecer apenas em setembro.

O balanço oficial divulgado sábado, aponta para um total de 13.832 mortos pela doença covid-19 em França, mais 635 que no dia anterior.

A AFP cita fontes próximas do Presidente francês, segundo as quais Macron deverá apontar para uma data entre 08 e 10 de maio para o levantamento das restrições, "uma data suficientemente distante" para ajudar a compreender o "esforço que ainda é preciso fazer", mas "suficientemente próxima para preparar a França para o pós" pandemia.

As medidas de confinamento estão em vigor em França desde 16 de março e qualquer regresso à normalidade não será imediato, salientam, dando como exemplo a impossibilidade de reabrir imediatamente comércio e escolas, sendo que a reabertura destas apenas em setembro não está ainda decidida.

O Presidente francês deverá dirigir-se aos franceses através da televisão na segunda-feira à noite, no final de uma série de consultas junto de médicos, de eleitos, de associações e dos seus homólogos europeus, para dar conta dos procedimentos a seguir nas próximas semanas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 109 mil mortos e infetou quase 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, quase 360 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com quase 910 mil infetados e mais de 75 mil mortos, é o que regista atualmente o maior número de casos.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais