Borrego e dados secretos: como os países decidiram expulsar diplomatas russos

Borrego e dados secretos: como os países decidiram expulsar diplomatas russos
Leonor Riso 29 de março de 2018

O Ocidente empreendeu uma acção coordenada contra a Rússia pelo envenenamento do antigo espião Sergei Skripal.

Vieiras e borrego. Eis o que foi servido durante o jantar em que May, Macron e Merkel conseguiram convencer os líderes europeus a dar uma resposta dura à Rússia pelo envenenamento de um antigo espião, Sergei Skripal, em solo britânico, durante uma cimeira em Bruxelas no dia 22 de Março.

Até agora, o Ocidente concordou em expulsar mais de 100 diplomatas russos devido ao caso Skripal: 60 vão deixar os Estados Unidos. Na União Europeia, 19 dos 28 Estados-membros juntaram-se à iniciativa diplomática. A Grécia, Bulgária, Portugal, Eslovénia e Áustria não se juntaram à acção coordenada, considera a agência noticiosa Reuters.

Portugal chamou a Lisboa o embaixador de Portugal em Moscovo, para consultas.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais