Guerra Colonial

Angola, 15 de março de 1961: O mistério do telegrama desaparecido

António Luís Marinho 14 de março

Na manhã de 15 de março, um ataque de populares africanos, dirigidos pela UPA, a dezenas de fazendas no norte de Angola, causou milhares de mortos, entre europeus e africanos, numa onda de extrema violência, que iria motivar uma resposta igualmente violenta.

No dia 4 de março de 1961, Viana de Lemos, chefe de gabinete do ministro da Defesa, Botelho Moniz, envia, por ordem deste, um telegrama MUITO URGENTE dirigido ao Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Beleza Ferraz, de visita a Angola: "INFORMAÇÕES ORIGEM ESTRANGEIRA DUAS FONTES COMUNICAM SEREM DE ESPERAR INCIDENTES TIPO TERRORISMO REGIÃO NORTE DE ANGOLA A PARTIR 15 MARÇO."

As informações do telegrama não foram levadas em linha de conta, ou a mensagem nunca chegou ao destinatário.

Um mistério que, até hoje, nunca foi desvendado. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login