Mais 100 milhões de euros serão usados para obras em escolas

Lusa 28 de março de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 20 a 26 de janeiro
As mais lidas

Com fundos comunitários, o ministro da Educação prometeu realizar mais obras de melhoramento nas escolas. As verbas deverão chegar até ao final do ano.

O ministro da Educação prometeu esta quarta-feira realizar mais obras de melhoramento nas escolas com parte dos cem milhões de euros de fundos comunitários que estarão disponíveis ainda este ano, no âmbito do processo de reprogramação financeira do Portugal 2020.

"No âmbito do processo de reprogramação financeira do Portugal 2020 foi possível garantir um reforço de cem milhões de euros da dotação, a afectar aos Programas Operacionais Regionais para as áreas da educação, saúde e património", afirmou Tiago Brandão Rodrigues, durante uma audição parlamentar na Comissão de Educação e Ciência.

Segundo o ministro da Educação, as verbas deverão chegar até ao final do ano e serão um extra aos valores que já estavam designados para obras no parque escolar.

"Para além dos 350 milhões que já existiam, vão-nos dar até ao final deste ano cem milhões de euros", explicou.

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, já tinha anunciado no mês passado que a reprogramação do Portugal 2020 iria reforçar em 300 milhões o ensino profissional, assim como o ensino de adultos.

Este programa de fundos comunitários foi negociado pelo anterior Governo PSD/CDS-PP e é possível fazer uma reprogramação de investimentos a meio da sua vigência, sem alterar as verbas envolvidas.

A questão da degradação de algumas escolas e necessidade urgente de obras foi suscitada por vários deputados durante uma comissão parlamentar em que foram debatidas muitas outras questões, tais como o processo de contagem do tempo de serviço em que a carreira docente esteve congelada.

Os deputados do PSD, CDS e PCP criticaram a forma como a equipa de Tiago Brandão Rodrigues tem tratado o processo.

"Os professores sentem-se enganados. Sentem que uma declaração do Ministério de nada vale", criticou Margarida Novo, do PSD, referindo-se ao facto de o Governo estar disposto a contabilizar apenas dois dos nove anos em que as carreiras estiveram congeladas.

Tiago Brandão Rodrigues voltou a lembrar que este ano "99.220 docentes viram o descongelamento acontecer e que 46 mil terão a progressão ainda este ano".

A questão em torno de a nota de Educação Física voltar a contar para a média dos alunos que no próximo entram no ensino secundário foi outro dos assuntos abordados pelo PCP e Bloco de Esquerda, com o secretário de Estado da Educação, João Costa, a garantir que o executivo está "a criar condições para que possa acontecer no prazo mais breve possível".
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais