Mariana Vaz Pinto: “O futebol precisa de ter mais mulheres”

Mariana Vaz Pinto: “O futebol precisa de ter mais mulheres”
Carlos Torres 09 de novembro

Mariana Vaz Pinto foi a primeira mulher a ir para o banco de suplentes na I Liga. Apaixonada por futebol (e pelo Sporting), passou a infância a jogar com rapazes, no Estoril. Agora tornou-se a primeira team manager numa equipa masculina. E poderá ter cargos mais importantes? "O futuro é muito imprevisível", responde.

Mariana Vaz Pinto tem apenas 26 anos e já está na história do futebol português. E para isso não precisou de bater recordes de golos ou de transferências milionárias. Bastou-lhe sentar-se no banco de suplentes no estádio do Bessa, no passado dia 25, durante o Boavista-Belenenses SAD. Mariana, que desde o início de outubro é team manager da equipa lisboeta, tornou-se a primeira mulher delegada ao jogo numa partida da I Liga masculina, substituindo Nuno Almeida, diretor para o futebol do Belenenses SAD, que estava suspenso.

Sentada à porta dos balneários do Estádio Nacional (Oeiras), antes de começar mais um treino do Belenenses SAD, Mariana Vaz Pinto lembra à SÁBADO como foi esse momento: "Estava com um misto de sensações: nervosa, por ser num estádio tradicionalmente difícil e com um público aguerrido, por isso não sabia o que esperar; mas com a ajuda de todos tornou-se fácil e à medida que o jogo foi passando, as coisas foram acalmando".

"Foi uma experiência muito boa", continua. "Fui bem recebida por todos, tanto por parte do Boavista como do árbitro, João Pinheiro. Deram-me as boas-vindas e felicitaram-me por estar ali. O Nuno, o meu diretor desportivo, também me ajudou, ensinou-me o que era preciso fazer, estivemos sempre em contacto. O peso da estreia já passou e a partir de agora vai ser uma coisa natural, vou passar a ir com ele para o banco, vou estar bem acompanhada".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais