Todas as pessoas internadas devem ser avaliadas quanto ao risco de queda

Lusa 09 de dezembro de 2019
As mais lidas

Norma recomenda às unidades de internamento que tomem "precauções básicas" como iluminação adequada e remoção de obstáculos no percurso de marcha.

Todas as pessoas em internamento hospitalar, incluindo os centros de reabilitação, devem ser sujeitas a uma avaliação do risco de queda, segundo uma norma da Direção-Geral da Saúde hoje divulgada.

Hospital Garcia de Orta
Hospital Garcia de Orta

A norma "Prevenção e intervenção na queda do adulto em cuidados hospitalares", publicada no 'site' da DGS, é dirigida aos profissionais de saúde e unidade prestadoras de cuidados do sistema de saúde.

O documento define quando e como deve ser realizada "a avaliação do risco de queda a todas as pessoas em internamento hospitalar, incluindo os centros de reabilitação, integrada em registo eletrónico dos sistemas de informação", e as "precauções básicas" que as unidades de saúde devem adotar.

Segundo a DGS, o doente deve ser avaliado quando é admitido no hospital, devendo ser feita uma reavaliação sempre que ocorra uma alteração do estado clínico, no momento de transferência intra ou inter-hospitalar ou quando ocorre uma queda.

A pessoa ou o representante legal devem ser informados e esclarecidos acerca da avaliação do risco de queda, medidas de prevenção e intervenção e do plano de cuidados, recomenda a norma.

"Nas pessoas com alto risco de queda deve ser efetuada uma avaliação clínica multifatorial complementar registada no processo clínico", incluindo a história de quedas (número, causas, circunstâncias e consequências)", sublinha.

A norma recomenda às unidades de internamento que tomem "precauções básicas" como iluminação adequada, remoção de obstáculos no percurso de marcha, piso limpo e seco, intervenção imediata em caso de derramamento de líquido no pavimento, manter equipamentos e dispositivos médicos fora da área de circulação, sistema de chamada acessível, cadeiras, camas e outros equipamentos travados e portas de entrada e saída dos serviços com sistemas de controlo.

A DGS lembra que "as quedas estão na origem de uma significativa morbilidade ou mortalidade, sendo uma das principais causas de internamento hospitalar".

Em Portugal, de acordo com os dados do sistema nacional de notificação de incidentes, 21% do total de incidentes notificados relacionam-se com quedas.

Os últimos dados de 2017 e 2018, divulgados pela DGS, apontam para uma estabilização do número de quedas dos doentes nos hospitais, com uma média anual de oito mil casos notificados. Em 2016 os dados rondavam os nove mil.

Em todo o mundo, as quedas são a segunda principal causa de mortes acidentais ou não intencionais, sendo os maiores de 65 anos os que sofrem o maior número de quedas fatais.

A nível mundial, em pessoas com mais de 65 anos, a taxa "de queda" anual situa-se entre os 28 a 35%, elevando-se para 32 a 42% em pessoas com mais de 70 anos.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais