Covid-19. Chile começa vacinação de grávidas como grupo prioritário

Covid-19. Chile começa vacinação de grávidas como grupo prioritário
Diogo Camilo 28 de abril
As mais lidas

Estudos demontram que vacina não só protege a mão como também confere anticorpos contra a covid-19 em recém-nascidos. EUA, Reino Unido e Brasil também já colocaram mulheres grávidas entre os grupos prioritários na vacinação.

O Chile tornou-se o primeiro país a vacinar grávidas contra a covid-19, após colocar o grupo entre prioritários à vacinação. Depois de dúvidas quanto aos riscos ou eficácia das vacinas em grávidas, pelo menos três estudos com vacinas da Pfizer e da Moderna demonstraram que mulheres grávidas que recebem a vacina passam os anticorpos a recém-nascidos, um primeiro sinal de proteção contra a doença logo à nascença. À semelhança do Chile, o Reino Unido e os EUA já atualizaram as suas orientações para incluir mulheres grávidas e o Brasil também autorizam a sua inclusão entre grupos prioritários, cuja vacinação começará no início de maio.

Covid-19 - vacinação de grávidas
Covid-19 - vacinação de grávidas Reuters

Esta quarta-feira, a subsecretária de Saúde Pública chilena, Paula Daza, avançou que mulheres nos seus segundos e terceiros trimestres de gestação com problemas de saúde estão a ser inoculadas com a vacina da Pfizer, por ser aquela que reúne mais informação sobre a sua segurança para mulheres grávidas.

Ao todo, 230 mil doses de vacina serão oferecidas a grupos prioritários que incluem também pessoas com problemas de saúde e trabalhadores de profissões de alto risco, como os setores da saúde e da educação.

O Chile é um dos países com um ritmo de vacinação mais rápido, com mais de metade dos 15,2 milhões de habitantes que deverão receber a vacina a já terem a primeira dose e 41,6% a já terem recebido as duas doses, completando a vacinação.

Tal como o Chile, que já iniciou a vacinação em grávidas, o Reino Unido atualizou o seu plano de vacinação no início deste mês para incluir este grupo, com os EUA a fazerem o mesmo no passado fim de semana.

O Brasil também atualizou as suas orientações esta terça-feira, com todas as mulheres em gestação e com até 45 dias de pós-parto a serem incluídas no grupo prioritário de vacinação que vai receber vacinas da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer a partir de maio.

A decisão acontece dias depois de avisos de que mulheres deviam adiar gravidezes caso consigam, após preocupações acerca de novas variantes da covid-19.

Pelo menos três estudos demonstraram recentemente que mulheres que receberam as vacinas da Pfizer e da Moderna durante a gravidez desenvolveram anticorpos ao novo coronavírus no sangue do cordão umbilical, o que sugere que os recém-nascidos desenvolveram também estes anticorpos. Um dos estudos aponta mesmo a existência de anticorpos no leite materno das mães que receberam a vacina durante a gravidez.

Ainda assim, nenhum dos estudos olhou especificamente para a segurança da vacinação, apenas para a eficácia da mesma, apesar de numa das investigações não ter sido reportado qualquer efeito secundário da vacina em mulheres grávidas.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais