Andar de comboio ou ir a um casamento? Só vacinado contra a covid-19

As restrições a não vacinados têm aumentado por toda a Europa. Há países que confinam quem não está imunizado. Outros cortam salários, aplicam quarentenas obrigatórias e impedem a entrada em restaurantes, ginásios ou mesmo escritórios.

Em Bruxelas, quem não apresentar a vacinação completa, só pode deslocar-se a restaurantes e bares que tenham esplanada e a locais com uma lotação inferior a 50 pessoas. À semelhança da Bélgica, vários são os países europeus onde a vacinação contra a covid-19 não ultrapassa os 70% e que estão a endurecer as restrições à população.

Na Bélgica, numa altura em que o número de casos de infetados com covid-19 excede os 10 mil por dia e a vacinação ainda está atrasada em algumas cidades (apenas 59% da população está totalmente vacinada na capital), quem recusar vacinar-se também enfrenta medidas mais restritivas - a partir do dia um deste mês tornou-se obrigatório mostrar o pass de vacinação, (Covid Safe Ticket) em todas as empresas de hotelaria e ginásios do país. E na Aústria, que tem 65% da população vacinada (uma das taxas mais baixas da Europa), cerca de dois milhões de pessoas que não foram totalmente vacinadas contra a covid-19 foram colocadas em confinamento.

O chanceler austríaco Alexander Schallenberg revelou que estas medidas se estão a refletir num aumento do número de inscrições nos centros de vacinação. Apesar disso, este confinamento estendeu-se ao resto da população, no arranque desta semana. Em fevereiro, os austríacos vão votar uma proposta de lei para tornar a vacinação obrigatória.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais