Motoristas de matérias perigosas entregam pré-aviso de greve

Diogo Camilo , Lusa 15 de julho de 2019
As mais lidas

Depois de cinco horas de reunião, sindicatos não chegaram a acordo com a ANTRAM e confirmaram nova paralisação para o dia 12 de agosto.

Depois de terem anunciado no passado dia 6 de julho que haveria nova paralisação, os sindicatos Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e Independente dos Motoristas de Mercadorias não chegaram a acordo com a ANTRAM e entregaram o pré-aviso da greve que se irá realizar a 12 de agosto.

manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
manifestação motoristas matérias perigosas
Os sindicatos representativos dos camionistas e a associação empresarial do setor, a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), voltaram esta segunda-feira à mesa de negociações, sob a mediação do Ministério do Trabalho mas, depois de uma reunião de quase cinco horas, não foi alcançado um ponto comum para a revisão do contrato coletivo de trabalho.

"Se a ANTRAM mantiver esta postura a greve será realizada"

Os representantes dos motoristas pretendem um acordo para aumentos graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1.400 euros em janeiro de 2020, 1.550 euros em janeiro de 2021 e 1.715 euros em janeiro de 2022.

Os sindicatos Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) acusam a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) de já ter aceite este acordo e de agora estar a voltar atrás na decisão, o que a ANTRAM desmente.

À saída da reunião, que decorreu em Lisboa, o vice-presidente do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, disse que, uma vez que não há acordo com a ANTRAM, a greve de abril vai ter continuidade.

"O que está aqui em causa não é o janeiro de 2020, porque este a ANTRAM aceitou", acrescentou Pedro Pardal Henriques, esclarecendo que o motivo da divergência são os valores para 2021 e 2022.

"Se a ANTRAM voltar atrás nesta postura ridícula que está a ter de dar o dito por não dito, a greve será desconvocada. Se a ANTRAM mantiver esta postura de não aceitar cumprir aquilo a que se comprometeu com os motoristas, a greve será realizada", reiterou o vice-presidente do SNMMP.

Por sua vez, o advogado e representante da ANTRAM, André Matias de Almeida, devolveu as acusações, atribuindo o falhanço das negociações aos sindicatos que entregaram o pré-aviso de greve.

"A ANTRAM está sempre disponível para negociar, como negociou, mas ninguém pode negociar sob ameaça e sob pressões constantes de pré-aviso de greve", afirmou aos jornalistas o representante daquela associação, acrescentando que os sindicatos que estão dispostos a fazer greve por tempo indeterminado a partir de dia 12 de agosto não ouviram as propostas que a ANTRAM trazia para a reunião de hoje.

"O que estava em cima da mesa por parte da ANTRAM era um aumento de 300 euros para o próximo ano, o Sindicato das Matérias Perigosas quer discutir uma greve para este ano relativamente a um aumento que não negociou para 2022", declarou André Matias de Almeida.

Relativamente à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), também presente na reunião no Ministério do Trabalho e que não entregou pré-aviso de greve, as negociações para aumentos salariais vão prosseguir.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas foi criado no final de 2018 e tornou-se conhecido com a greve iniciada no dia 15 de abril, que levou o Governo a decretar uma requisição civil e, posteriormente, a convidar as partes a sentarem-se à mesa de negociações.

A elevada adesão à greve de três dias surpreendeu todos, incluindo o próprio sindicato, e deixou sem combustível grande parte dos postos de abastecimento do país. O SNMMP reivindicava salários de 1.200 euros para os profissionais do setor, um subsídio específico de 240 euros e a redução da idade de reforma.

Segundo fonte sindical, existem em Portugal cerca de 50.000 motoristas de veículos pesados de mercadorias, 900 dos quais a transportar mercadorias perigosas. O recente sindicato tem cerca de 700 sócios.
Os sindicatos Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e Independente dos Motoristas de Mercadorias anunciaram no dia 06, após o seu 1.º Congresso Nacional, uma paralisação, como início em 12 de agosto.

Estes dois sindicatos independentes, juntamente com a federação sindical filiada na CGTP, têm vindo a negociar com a associação empresarial do setor, a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), a revisão do contrato coletivo, sob a mediação da Direção Geral do Emprego e Relações de Trabalho do Ministério do Trabalho.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais