Líder do PCP diz que Governo quer "apeadeiro" e "aeroportozinho" no Montijo

Lusa 05 de janeiro de 2019
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 4 a 10 de março
As mais lidas

Jerónimo de Sousa criticou o Governo por ter privatizado a ANA e refere que o novo aeroporto "vai ser um apeadeiro para beneficiar um grande grupo económico".

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje o Governo de pretender "um apeadeiro" e um "aeroportozinho" no Montijo para "beneficiar um grande grupo económico", considerando que, "nesta pressa" e "correria, até as questões ambientais vão".

"Aquilo não vai ser um aeroporto, vai ser um apeadeiro para beneficiar um grande grupo económico, a Vinci francesa, em que fazem um aeroportozinho", quando o que o país precisa é de "um aeroporto maior, numa perspetiva de desenvolvimento económico", afirmou Jerónimo de Sousa.

No seu discurso num almoço convívio em Vidigueira (Beja) com militantes e apoiantes do PCP, o secretário-geral comunista criticou o Governo por ter privatizado a ANA – Aeroportos de Portugal: "Entregaram durante 50 anos a concessão a essa multinacional", a Vinci, que ficou dona "dessa gestão de todos os aeroportos do país" e "fazem um aeroportozinho ali no Montijo".

Segundo Jerónimo de Sousa, "agora, vem o Governo dizer, bom, não estudámos bem os impactos ambientais" e, apesar de "o problema" até não ser "esse, naturalmente, nesta pressa, nesta correria, até as questões ambientais vão".

"O problema de fundo" é que "daqui a alguns anos, e oxalá estejamos cá, vamos descobrir que, afinal, aquele aeroporto não serve o país como infraestrutura fundamental", argumentou.

O que o país precisa, insistiu Jerónimo de Sousa, é de "um grande aeroporto e não de um pequeno apeadeiro, como Governo pretende fazer para beneficiar a multinacional francesa".

O Estado português e a ANA - Aeroportos de Portugal vão assinar, na terça-feira, um acordo sobre o modelo de financiamento para a construção do novo aeroporto no Montijo e o reforço da capacidade do atual aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, revelou fonte da gestora de aeroportos.

O presidente da Câmara do Montijo já disse, na quinta-feira, que o estudo de impacto ambiental sobre a construção do novo aeroporto será entregue no primeiro trimestre de 2019, não estando em condições de ser divulgado na terça-feira, dia da assinatura deste acordo.

Na sexta-feira, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas assegurou que serão cumpridas integralmente as eventuais medidas de mitigação que venham a ser definidas pelo estudo de impacto ambiental para o aeroporto complementar do Montijo.

"Está absolutamente fora de questão que alguém esteja a pensar fazer um aeroporto sem cumprir todas as medidas de declaração de impacto ambiental. Mas, como imaginam, não se poderia realizar um aeroporto sem definir que aeroporto se ia fazer e como é que ele ia ser pago", afirmou Pedro Marques aos jornalistas, em Mangualde.

A cerimónia decorrerá às 15:00, na base da Força Aérea no Montijo, com a presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, do ‘chairman’ (presidente do Conselho de Administração) e presidente executivo (CEO) da Vinci, Xavier Huillard, e do presidente da Vinci Airports, Nicolas Notebaert.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais