Existem mais de 4 mil sem-abrigo em Portugal Continental

Lusa 23 de novembro de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

Inquérito revela que 1.443 pessoas sem tecto, ou seja, na rua. Quase metade desse número (45%) foram identificadas na Área Metropolitana de Lisboa.

No território de Portugal continental há cerca de 4.400 pessoas sem teto ou sem casa, segundo um inquérito realizado entre fevereiro e maio no quadro da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo.

sem abrigo
sem abrigo
sem abrigo
sem abrigo
Segundo um resumo dos resultados deste inquérito, hoje divulgado, "no período de referência, existiam 3.396 pessoas sem teto ou sem casa", das quais "1.443 pessoas sem teto, isto é, a viver na rua, em espaços públicos, abrigos de emergência ou locais precários", e "1.953 pessoas sem casa", isto é, "a viver em equipamento onde a pernoita é limitada".

De acordo com o mesmo documento "cerca de 45% do total das pessoas sem teto foram identificadas na Área Metropolitana de Lisboa (AML), com 644 pessoas".

Estes dados foram divulgados no final de uma reunião do Grupo Implementação, Monitorização e Avaliação da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas Sem-Abrigo (GIMAE), com a presença das secretárias de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, e da Saúde, Raquel Duarte, em que também participou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

No documento distribuído à comunicação social é referido que participaram neste inquérito, previsto no Plano de Ação 2017-2018 da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo 2017-2023, "todos os 278 concelhos do continente" e que "não foi obtida resposta de três municípios".

Relativamente às "1.443 pessoas sem teto", foram casos identificados "em 81 concelhos (29% do total dos concelhos do continente)", a maior parte "no conjunto dos 18 concelhos que continuem a AML", região "com 644 pessoas" nesta situação.

Dentro desta área metropolitana, "destaca-se Lisboa, com 350 pessoas sem teto" e, depois, "seguem-se os concelhos de Almada e Oeiras, o primeiro com 51 e o segundo com 46 pessoas sem teto".

"Por ordem decrescente, segue-se a região Norte, com 25% das pessoas em teto, o Algarve, com 15%, a Região Centro, com 12%, e o Alentejo, 4%. Na região Norte, destaca-se a Área Metropolitana do Porto, com 286 pessoas, das quais 174 no concelho do Porto", lê-se no texto.

Quanto às "1.953 pessoas sem casa", trata-se de cidadãos "sem acesso a alojamento de longa duração, a viver em equipamento onde a pernoita é limitada - centro de alojamento temporário, albergue, alojamento específico para pessoas sem casa - ou em quarto pago pelos serviços sociais".

Os resultados deste inquérito indicam que estas pessoas "estavam também maioritariamente na AML (44% do total do continente), com destaque para o concelho de Lisboa (645 pessoas sem casa)", seguindo-se "as regiões Norte (38%), com realce para o concelho do Porto (257 pessoas) e Centro (11%)".

O documento menciona que o Alentejo e o Algarve registam "valores significativamente mais baixos" destes casos, respetivamente 6% e 1% do total.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais